21/04/2008

O trote oficial

Nas últimas semanas, a propaganda oficial foi contumaz em citar os problemas causados à população fluminense em razão dos trotes direcionados ao sistema 190, no que, a propósito, foi muito feliz.
Todavia, a atual "política de segurança pública" parece insistir em olvidar-se de que o pior trote, com reflexos nefastos ao erário e à clientela da polícia, continua a ser encetado sob seu próprio patrocínio.
E não falo dos parcos salários pagos aos militares de polícia, da ausência de delimitação de carga horária semanal, do não pagamento de horas extraordinárias de trabalho, da exploração do "bico", dos pífios índices de elucidação de delitos, do anacronismo de determinadas sanções disciplinares, do débito estatal relacionado ao fundo de saúde da PM, nem tampouco da questão "etapa de alimentação" (fatores, creio, com inequívos e também nefastos reflexos à questão ora abordada). Falo, mais uma vez e não pela última, da incrível e cada vez mais nacionalmente isolada obrigação imposta aos servidores de segurança pública e à população em geral de que finalizem todas as mediações de conflitos delituosos, por menores que sejam, nos já abarrotados balcões das ineficazes delegacias de polícia do RJ.
Impedidos de registrar ocorrências sem flagrância e mesmo de carrear infrações de menor potencial ofensivo diretamente ao poder judiciário, policiais, vítimas, testemunhas e autores são impingidos a penosos e desnecessários deslocamentos e ao consumo não excepcional de horas para a adoção de feitos excessivamente formais e cartorários, por oposição aos procedimentos simples, céleres e econômicos que deveriam dar lugar aos mesmos.
Tentando traduzir em números o "trote" ora citado e utilizando para tal dados derivados do então Centro de Operações da PM (COPOM), temos que no período compreendido entre janeiro e abril de 2007 houve o seguinte quantitativo mensal de ocorrências atendidas e conduzidas às delegacias de polícia:


Analisando o tempo total consumido desde a assunção à finalização de tais ocorrências, chegamos ao seguinte quadro:
.




.
Como visto, com média de mediação de conflitos girando em torno de 130 min, foi possível o atendimento diário médio de 26 ocorrências (com condução às delegacias de polícia para adoção de feitos cartorários).
Mas, qual seria o impacto percentual da redução de tal tempo médio de mediação de conflitos no atendimento à demanda via 190?




Por mais impressionante que possa parecer, mesmo as menores reduções no tempo consumido pela PM para o atendimento (na íntegra) das ocorrências para as quais é acionada tendem a gerar expressivo acréscimo na disponibilidade para atendimento à população:

Ora, se a própria gestão da segurança pública do RJ, sabe-se lá por qual motivo, cerra olhos à realidade supra (da qual teve ciência oficialmente em meados de 2007, por ocasião de relatório fruto de visita de comitiva presidida pelo próprio subsecretário da pasta ao estado do RS)...
.

De quem é o maior trote?

13 comentários:

Anônimo disse...

COMO SÉRGIO CABRAL FICOU RICO!
12/01/2005

Companheiros,
Vejam a riqueza de detalhes DA denúncia anônima que está circulando pela rede - provavelmente feita por gente DA malha do sistema fiscal estadual.
Se as instituições republicanas não reagirem, estarão ajudando a solapar nossa democracia. É preciso investigar a veracidade DA denúncia e extirpar OS cânceres que sugam as energias e OS recursos do Estado e DA sociedade brasileira. É preciso TB. Que OS partidos políticos não comprometidos c/ o patrimonialismo reajam e que OS trabalhadores e toda a sociedade façam sua parte pressionando as instituições.
Um detalhe chama atenção, no contexto DA denúncia, embora não me espante: a impotência política do empresariado, extorquido como se ainda estivéssemos sob o antigo regime absolutista. Será que a corrupção é, p/ a maioria deles, mera questão contábil contornável via repasse de seus custos aos preços?
"Qualquer deputado ou funcionário daquela Casa sabe que sempre funcionou um esquema de CPIs tocado por 3 parlamentares-chaves: SÉRGIO CABRAL, Paulo Mello e Andre Luis. Sempre funcionou nos assuntos que envolviam empresas e assuntos fiscais."
"O esquema sempre foi simples. SÉRGIO CABRAL e Paulo Mello escolhiam o 'setor-vítima'. Supermercados, por exemplo. Depois, incluíam entre OS membros DA CPI o truculento deputado Andre Luis, o 'braço armado' (literalmente) do CABRAL. SÉRGIO CABRAL pedia à Silveirinha as informações mais importantes que poderiam constranger OS empresários. Silveirinha fornecia números e documentos, digamos, 'básicos'. Com isso nas mãos, CABRAL repassava para seu file escudeiro, o hoje também milionário Paulo Mello, OS documentos que permitiriam a abertura DA CPI. E quem fazia o trabalho 'sujo', o de visitar empresas, de ameaçar pessoas, de se expor e arrecadar o dinheiro? Elementar: o Andre Luis. Os outros membros, parlamentares do 'baixo clero', que compunham as CPIs, recebiam algumas migalhas DA extorsão, mas eram escolhidos a dedo para não criar problemas."

Esquema DA Fiscalização no Rio de Janeiro
PARTE I
Parte das inspetorias DA Fazenda sempre foi entregue à políticos. Sempre.
Alguns deputados jamais pediam obras, a não ser uma inspetoria, que dependendo DA área de abrangência, poderia render entre 30 a 150 mil reais por mês.
Nos últimos dois governos - Marcelo Allencar e Garotinho, bem como o atual, o DA Rosinha, o esquema tem sido sempre exatamente igual. Nos últimos 8 anos, OS deputados mais encrenqueiros só eram "acalmados" com uma inspetoria.
E em quase todos OS casos - exceto as do pessoal do governo - SÉRGIO CABRAL sempre recebeu religiosamente metade do que era arrecadado. O trato sempre foi esse: ele levava o pleito do deputado até o governador.
"Convencido" DA necessidade de nomear um indicado político, o governador"comprava" aquele voto até o fim do seu governo.

O Grande "pulo do gato" sempre foi o famosíssimo livro conhecido como "Termo de Ocorrência", de 50 páginas, onde as primeiras 25 eram destinadas às anotações DA empresa, sendo as 25 restantes às anotações dos fiscais.
Invariavelmente, nas regiões onde o nível de corrupção é alto, encontra-se uma típica anotação - padrão - por parte dos fiscais: "não foi constatada irregularidade". Ao longo dos anos, pode-se observar que não havia rodízio de fiscais, e que a anotação sempre foi rigorosamente a mesma.
O ex-deputado Sivuca, por exemplo, citado pelo ex-secretário Sasse como padrinho de uma inspetoria na Barra DA Tijuca, recolhia através de seu afilhado, o inspetor-chefe Celso Kastrupp, em torno de R$ 150.000 reais por mês, dos quais R$ 75.000,00 eram repassados para o atual Senador Sérgio Cabral. Existem centros comerciais na Barra DA Tijuca (que aliás, é uma belí$$ima inspetoria) como é o caso do Parque das Rosas, que são campeã sem sonegação há quase uma década.

É verdade sim, que o deputado Roberto Dinamite indicou um inspetor chefe.
Nome: Dirrago. Inspetoria: DA Penha. Faturamento: R$ 50.000,00 (meio ameio com o Cabral, desde o governo Marcelo Allencar)

Albano Reis, o deputado Papai Noel, logo no início do governo GAROTINHO, começou a "bater de frente" com o governador e com o presidente DA Alerj, SÉRGIO CABRAL. Ninguém entendeu o por quê DA raiva que CABRAL e Albano Reissentiam um pelo outro pelos idos de 1999. Albano Reis (está nos anais DA Alerj) não saia DA tribuna, denunciando o CABRAL, particularmente a mansão que o ex-presidente DA Assembléia trouxera dos EUA.
Mas a razão DA briga tinha sido o critério de se repartir o "lucro" DA inspetoria do Catete (inspetor-chefe Nelson Garófilo) com o CABRAL. A nomeação não saía. Albano Reis enfrentou o CABRAL azucrinando-o até que este fez um acordo em bases menos gananciosas para acalmar o deputado "NATALINO".

Só que neste ínterim, SILVERINHA já tinha nomeado sua amante - Dona Sônia para o Catete. E Albano foi contemplado em outra região.
Às vezes, o deputado tinha que "entubar". O ex-parlamentar Paulo Albernaz, por exemplo, líder do GAROTINHO na Alerj, não conseguiu emplacar o inspetor-chefe de Campos, sua terra natal. Perdeu a indicação - ora vejam só - para Eduardo Cunha, aquele famoso ex-presidente da Cehab que respondera inúmeros ações na Justiça por improbidade. Paulo Albernaz nunca "entubou" a perda da inspetoria de Campos, e jamais poupou o governador de seu ressentimento expressado em sonoros palavrões.


E o Noel de Carvalho, quem diria? Existe um posto do ICMS em Rezende(terra natal do deputado) numa localidade conhecida como Inhagapi, logo depois do limite dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Ali, o "dono do pedaço" sempre foi o deputado Noel de Carvalho, só que com uma diferença estarrecedora: quem fazia a fiscalização era o pessoal contratado através daNuseg, indicado - é claro - pelo Noel de Carvalho. Para se ter idéia,

basta buscar a sonegação feita pela Schincariol (alguma coisa em torno de R$1.500.000,00) num mês de verão. Não é preciso dizer que o pessoal da fiscalização de verdade tem ódio mortal do Noel de Carvalho.

O pessoal da bancada evangélica também tinha suas inspetorias desde o governo Marcelo Allencar. Eraldo Macedo, por exemplo, irmão do Bispo Macedo, sempre comandou 2 inspetorias: Lagoa (sob a chefia do Edson Godomar) e a de Copacabana (sob a chefia do Jequiriçá). Ambas rendem algo em torno de R$100.00,00, dinheiro religiosamente (sem conotação, por favor) dividido como Senador Sergio Cabral..
Por falar em religião, sabe aquele famoso "pastor" do escândalo cheque-cidadão, o Everaldo? Pois é, sempre foi "dono" de 3 inspetorias:

Irajá (sob o comando da Viviane), de Bonsucesso( sob o comando do Guedes) e de Barra do Piraí (sob o comando do filho do ex-verador evangélico Dirceu Amaro). Esse Everaldo é um craque, pois conseguiu manter pelos menos 2 dessas no governo Benedita...

PAULO MELLO sempre comandou a inspetoria de Maricá, desde o governo Marcelo Allencar de quem era líder na Alerj. Maricá comanda toda a chamada região dos lagos, e apesar de uma abrangência geográfica grande, é uma inspetoria considerada do interior. Nesse caso específico, alguma coisa em torno R$70.000,00 mensais.
GRAÇA MATOS indicou São Gonçalo a pedido do maridão Ezequiel, ex-prefeito e atual deputado federal. Às vezes, "bate" R$ 100.000,00. Graça e Ezequiel nunca reclamaram.Só na campanha.

Augusto Ariston - o ex-$ecretário do Gabinete Civil e atual $ecretário de Transportes, indicou uma das inspetorias do centro da cidade. Aliás, a respeito dessa região, cabe uma observação: o ex-subsecretário de Fazenda da Bené, Eduardo Campos, conhecido pelos fiscais como um "goelão" (o jargão é deles), fundiu as 2 inspetorias do Centro. O resultado? Impressionantes 250mil reais por mês. Repetindo: 250 mil reais todo santo mês!
É verdade sim que NÚBIA COZZOLINO ganhou uma inspetoria. Durante um tempão gritava, esperneava e acusava Garotinho, Jonas e seu pessoal dos desmandos no DER. Um dia, calou. Calou por que? Por que calou? Ora, ganhou finalmente sua inspetoria. Pequena, é verdade, mas que garantia R$ 30 mil para ela, e R$ 30 mil para o "corretor" SÉRGIO CABRAL.

Nelson Gonçalves participava da inspetoria que cobre Volta Redonda.
André Luis, é claro, a de Bangu. O "capo" banguense André Luis chiava e sempre desconfiava de seus afilhados na fiscalização, já que nunca conseguia atingir os R$ 100.000 reais mensais. Nunca passava de R$ 70.000,00!

Que chato, não? O problema era convencer o "sócio" SÉRGIO CABRAL que era só isso. Os dois andaram se estranhando por causa de dinheiro, mas depois se acertaram.


PARTE II
Existe um viés no escândalo SILVEIRINHA que propositadamente está sendo deixado de lado pelos deputados da Alerj. E a chave disso chama-se Romeu Sulfan, um ex-vendedor de camisas de campanha eleitoral na Rua da Alfândega. E que provavelmente, está com os dias contados.
Qualquer deputado ou funcionário daquela Casa sabe que sempre funcionou um esquema de CPIs tocado por 3 parlamentares-chaves: SÉRGIO CABRAL, PAULO MELLO e Andre Luis. Sempre funcionou nos assuntos que envolviam empresas e assuntos fiscais.
Como se sabe, é dificílimo criar uma CPI na Alerj, só com o desejo explícito do presidente. Se alguém se der ao trabalho de pesquisar o site da Alerj no tocante às CPIs dos 8 anos (GESTÃO CABRAL), descobrirá "coincidências", como por exemplo a composição com os mesmos nomes, os mesmos objetivos, entre os quais a requisição de livros contábeis e notas fiscais dos últimos 5 anos das empresas que mais tarde seriam extorquidas.

O esquema sempre foi simples. SÉRGIO CABRAL E PAULO MELLO escolhiam o "setor-vítima". Supermercados, por exemplo. Depois, incluíam entre os membros da CPI o truculento deputado André Luis, o "braço armado" (literalmente)do CABRAL.

SÉRGIO CABRAL pedia à Silveirinha as informações mais importantes que poderiam constranger os empresários. Silveirinha fornecia números e documentos, digamos, "básicos".

Com isso nas maõs, CABRAL repassava para seu fiel escudeiro, o hoje também milionário Paulo Mello, os documentos que permitiriam a abertura da CPI.
E quem fazia o trabalho "sujo", o de visitar empresas, de ameaçar pessoas, de se expor e arrecadar o dinheiro? Elementar: o Andre Luis. Os outros membros, parlamentares do "baixo clero", que compunham as CPIs, recebiamalgumas migalhas da extorsão, mas eram escolhidos a dedo para não criar problemas.
Basta analisar as CPIs da era CABRAL. Todas sempre tiveram a mesma característica, como um "serial killer" faz com suas vítimas: eram destinadas a segmentos produtivos que envolvessem grandes empresas e indústrias, requisição de quantidades imensas de documentação, informações técnicas que só a Secretaria de Fazenda tinha acesso, quase sempre os mesmos membros.

Alguém acredita, sinceramente, que um bobalhão como esse tal de Romeu Sulfan seria escolhido por Silveirinha e sua patota para ser intermediário de extorsões de milhões de dólares? Precisariam dele prá quê? Só se fosse para fazer trapalhadas no melhor estilo Peter Sellers, como foi o caso da Light.
Se se buscar os arquivos dos jornais da época da denúncia da Light, vai se descobrir notícias de que esse Romeu estava lotado na Alerj, no gabinete do deputado Andre Luis, o "capataz" de CABRAL E PAULO MELLO.
Romeu sempre foi um trapalhão que visitava as empresas em nome das CPIs. O caso Light - o Edésio Quintal, ex-diretor sabe mais do que ninguém - foi armado por SÉRGIO CABRAL E PAULO MELLO. Todo mundo na Alerj sabe disso. Os funcionários da Alerj sabem disso. Os servidores das CPIs sabem disso.
O Silveirinha tinha seu próprio esquema, e não precisaria jamais de um bobão como o Romeu para extorquir dinheiro das empresas.
Se for seguido o fio dessa meada, será descoberto um esquemaço pior do que o dos fiscais da Secretaria da Fazenda. O que SÉRGIO CABRAL E PAULO MELLO fizeram durante esses últimos 8 anos é estarrecedor, pois usaram o terror como nenhum outro parlamento o fez. Isso, sem se falar nas privatizações da era Marcello Alencar, quando o filho do ex-governador, Marco Aurélio ainda era carne e unha com CABRAL E PAULO MELLO (este último, lider do governo na época)

E alguém pode dar uma boa razão para SÉRGIO CABRAL ter a mulher de Silveirinha lotada no seu gabinete durante anos? E ainda nomeá-la para um cargo de chefia de 6.000,00? E só a exonerou porque estourou o escândalo na imprensa.

Até hoje está sem explicação a origem do dinheiro amealhado através de extorsões pela dupla SÉRGIO CABRAL E PAULO MELLO, que os fizeram homens ricos, com depósitos gigantescos no exterior.

Essa CPI da Alerj é ridícula. PAULO MELLO na presidência? Sem comentários, pois ele está ali para proteger suas alianças: SÉRGIO CABRAL, Jonas (hoje no TCE), Ariston (ex-chefe do Gabinete Civil e atual Secretario de Transportes) e, é claro, ele mesmo, PAULO MELLO. Graça Matos? Acusada deter sido uma das beneficiárias daquele caso de extorsão de um vereador de São Gonçalo - o Castor - ela sempre foi uma das parlamentares de confiança

do CABRAL, tendo sido sua primeira vice-presidente. "Queridinha" da Rosinha,

Graça Matos é ideal para uma função dessas. Qualquer um sabe que ela não resistiria a um exame psicotécnico.
Pedro Fernandes na CPI? É outra piada. Idoso, doente, semi-analfabeto, dorme ao sentar-se em qualquer poltrona do Palácio Tiradentes. Lembra aquela personagem do Ronald Golias, o "Bartolomeu Guimarães"? Pois é. Edmilson Valentim tem seu esquema próprio, sempre ligado ao Wagner Victer.

Suas CPIs tratam de assuntos que dizem respeito à área energética, mas sempre foi um fiel escudeiro de esquerda do CABRAL. Recebeu ajuda da Coca-Cola, é verdade, mas tem tantas dívidas contraídas com o ex-presidente da Alerj, que jamais permitiria que essa CPI dos fiscais descambasse para um caminho que viria atingir seu amigo CABRAL. Este último, aliás, espertamente sempre se cercou de parlamentares de esquerda para lhe dar aquele ar de seriedade: CARLOS MINC, Heloneida Studart, Valentim )
Romeu Sulfan sabe demais. Sempre teve acesso aos gabinetes da Alerj onde se decidiam grandes esquemas de extorsão. Era o "apanhador" de dinheiro para SÉRGIO CABRAL E PAULO MELLO.


Acesse o endereço

http://www.alerj.rj.gov.br/comissoes3.htm. Aí tem a relação das CPIs da gestão Cabral de 1999 a 2002. Estude as CPIs de 1994 a 1998. Em quase todas aparecem PAULO MELLO, autorizadas, é claro, por SÉRGIO CABRAL. Principalmente nas que envolviam dinheiro.
13 de Abril de 2008.

Anônimo disse...

A IGNORÂNCIA É UMA BÊNÇÃO!!! O QUE FAZER COM UMA INFORMAÇÃO DESSAS??? SE FOSSE DO INTERESSE DA MIDIA, JÁ TERIA SIDO DENUNCIADO NO FANTÁSTICO. É MUITO RUIM PRA UM SER RACIONAL ADMINISTRAR UMA INFORMAÇÃO DESSA. A ÚNICA ALTERNATIVA QUE EU VEJO SERIA O TERRORISMO DIRECIONADO PARA ESTES LADRÕES!!! SEQUESTRÁ-LOS E TOMAR TODOS OS SEUS BENS E REPASSÁ-LOS PARA A SOCIEDADE ATRAVÉS DE ONGS. PRECISAMOS DE UM ROBIN HOOD.

Anônimo disse...

SÉRGIO CABRAL DEVERIA DAR, PELO MENOS, UM AUMENTO DE 14% AOS MILITARES ESTADUAIS.

SEGURANÇA PÚBLICA NÃO É PRIORIDADE??

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXPLORA POLICIAIS MILITARES, PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA RESPONSÁVEIS PELO POLICIAMENTO OSTENSIVO E PELA PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA, DESRESPEITANDO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, DE 5 DE OUTUBRO DE 1988, ART. 7º, INCISOS IV E V.

Concurso da PMERJ deveria cobrar o 3º Grau (Nível Superior). Todo Policial Militar deveria ser Bacharel em Direito.

O Bacharel em Direito é o profissional responsável pela aplicação da Justiça na sociedade, pois estuda a ciência das normas que disciplinam as relações entre os indivíduos da sociedade. É capaz de saber utilizar os conhecimentos do universo do Direito, da legislação e das normas afins, relacionando-os e aplicando-os à realidade; de avaliar, adequadamente, as situações provenientes da multiplicidade dos conflitos entre o fato e a norma, através da vivência do fenômeno jurídico, por meio da simulação e de casos concretos; de demonstrar senso crítico e habilidade intelectual, como resultado da seqüência, continuidade e regularidade no processo de aprendizagem e da integração das experiências.

Anônimo disse...

O Inciso VII da Constituição Federal de 1988 dá a garantia de salário nunca inferior ao mínimo, assim como o Inciso I do Art. 92 da Constituição Estadual do RJ.

TENDO EM VISTA QUE O SOLDO REPRESENTA O SALÁRIO DOS MILITARES, O SOLDO DO PM NÃO PODE SER INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL (PISO SALARIAL DO ESTADO DO RJ).

turma 76 disse...

Sem dúvidas, Maj Wanderby. A Estatística, como ramo da Matemática, é uma ciência exata e como tal, deixa evidente que o "trote" é dado pelo ESTADO através do SESEG.

Turma 76

Anônimo disse...

O Lula vai fazer a parte dele...
E o Governador Sérgio Cabral???

No EB, todos os soldos ficarão acima do salário mínimo, como determina a Constituição Federal, no Inciso VII do Artigo 7º ("garantia de salário, nunca inferior ao mínimo"). Obs: O soldo é o salário dos militares.

Soldado do Exército terá 137,83% de aumento salarial e ganhará entre R$ 1.800,00 e R$ 1.900,00.

A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ASSEGURA AOS SERVIDORES PÚBLICOS MILITARES, NO INCISO I DO ART. 92, A GARANTIA DE SALÁRIO NUNCA INFERIOR AO MÍNIMO (reforçando o que o Inciso VII do Artigo 7º da Constituição Federal de 1988 já previa).

Espaço Mensaleiro disse...

Senhor, as instituições republicanas estão um tanto estilhaçadas...
Desculpe dizer.
Solicito autorização para incluir seu excelente trabalho no link do Espaço Mensaleiro.

http://espacomensaleiro.blogspot.com
Muito obrigada.
Aguardo e compreenderei...

Anônimo disse...

Solicito autorização para incluir
seu excelente trabalho no link do Espaço Mensaleiro.

Muito obrigada.
Espaço Mensaleiro.

Anônimo disse...

Aproveitei para aprender um pouco do funcionamento dessa caixa de
comentários.
MUITO OBRIGADA.
Eliana Alves

Anônimo disse...

As palavras "soldo" ("remuneração por serviços militares") e "soldado" ("homem de guerra") têm sua origem no nome da moeda romana, com a qual os soldados romanos eram pagos.

O SOLDO é a parte básica dos vencimentos inerentes ao posto ou à graduação do policial militar, ou seja, é o salário do PM.

Anônimo disse...

MAJOR,E OS POLICIAIS QUE TRABALHAM DE VERDADE NUMA GUERRA. COMO FICAM OS SÁLARIOS????

Anônimo disse...

Para os PPMMs que vão MORRER pelo Sérgio Pinóquio Cabral para que pensem em suas famílias e em como o Pinóquio as tratará.


Soldados sem fortuna (do Blog da Segurança de O DIA)

O BOPE é o melhor símbolo de Estado hoje, para quem quer passar imagem de um governo forte, consolidado, honesto e com coragem: é uma tropa com alta capacidade, treinamento, doses de sacrifício, anti-corrupção e contra todas forças do banditismo existentes. O BOPE hoje elegeria fácil seis vereadores na mesma eleição, se houvessem seis candidatos-caveira. Em 2010, se a propaganda pró-BOPE - principalmente com a bandeira da Vila Cruzeiro - continuasse, o BOPE elegeria um deputado federal e uns cinco estaduais.
Dificilmente o cidadão médio, pagador de impostos, pobre ou rico, deixa de gostar do BOPE, a menos que seja um cidadão pobre que tenha perdido alguém em uma operação em favela - aí, a raiva e o ódio se justificam plenamente (e, decerto, raiva e ódio também dos traficantes).
Com efeito, o BOPE hoje é a cara que o brasileiro queria ver no Estado do qual faz parte.
Mal sabem os brasileiros, no entanto, que o BOPE também tem suas mazelas. E da parte dos mesmos governos que sempre o colocam na vanguarda (ou "ponta").
Vejamos, por exemplo, o caso da família do Tenente Caveira Sarmento, brutalmente assassinado em operação policial no Morro de São Carlos, numa tarde de sábado. A família de Sarmento espera, desde o dia 27 de novembro de 2004, pelo pagamento de seu seguro de vida. Estamos em 24 de abril. E nada foi pago. Quanto? R$ 20 mil. Desde o governo Rosinha. E já quase chegando à metade do mandato atual. Nada foi pago.
A família de Sarmento ainda não foi procurada por nenhum representante dos governos que tanto apreciam o BOPE como forma de marketing da ordem urbana. Por enquanto, convivem com a dor, a saudade, a lembrança de uma notícia terrível que chegou numa tarde de sábado, de um filho que tombou em defesa do Estado constituído.
O Tenente Caveira Sarmento teria pensado duas vezes, se soubesse o que fariam com sua familia o Estado constituído e a Polícia Militar - que com zêlo paga mais de R$ 1 milhão para empresas de capim e mais de R$ 1 mlhão em "vales" na área de saúde (tenho provas em mãos, guardadas por terceiros), mas não lembra da família de um filho devoto e guerreiro assassinado.
Um minuto de silêncio pelos Caveiras do céu. Outro por Sarmento.

Copiado do Blog de Gustavo de Almeida

Wanderby B. de Medeiros disse...

Espaço mensageiro.
O conteúdo é público; use como melhor lhe convier.