06/01/10

Nem engodo, nem fraldas...

Também não vou escrever sobre o impressionante roubo tentado ou praticado (e/ou sobre suas tristes consequências) na agência vizinha ao Ministério Público incrível como a certeza da impunidade, fruto da ausência de elucidação de delitos, continua a produzir efeitos nefastos à população).

Mas quero mencionar algo sobre a figura humana destacada na primeira página do periódico supra.
Poderia citar suas notórias qualidades e sua liderança junto aos subordinados...
Poderia falar da humanização que presidia o relacionamento comandante/comandados...
Poderia enaltecer o homem de bem, digno e coerente que envergava aquela farda...
Poderia enumerar as lições por mim aprendidas e sua tolerância com minhas muitas imperfeições...
Mas quero falar de uma ação que a despeito de sua importância para a sociedade e de seu caráter vanguardista, nunca recebeu o devido destaque e reconhecimento (e acredito que ele mesmo nunca tenha dado importância alguma a tal fato).
Creio que poucos saibam, mas foi o então TC Hamilton Leandro Saldanha, Comandante do Batalhão de Polícia Rodoviária da PM do RJ, o responsável por levar à população os efeitos benéficos da correta aplicação da Lei dos Juizados Especiais Criminais.
Já em 1997 e diante de problemas causados para a recepção e registro de ocorrências de menor potencial em delegacias, foi ele o responsável por provocar o Poder Judiciário e o Parquet no sentido de buscar atuação conforme não apenas com a legislação, mas com os anseios daqueles a quem seus soldados deviam servir e proteger.

É verdade! A PM do RJ foi a segunda polícia ostensiva do Brasil a encaminhar registros de pequena monta diretamente à Justiça, reduzindo inconvenientes à população, aumentando a presença dos policiais nos logradouros públicos, gerando economia ao erário e propiciando condições à polícia judiciária para dedicar-se à elucidação de delitos, prática hoje reconhecida pelo STF, defendida pela Secretaria Nacional de Segurança Pública e adotada em diversos estados.

Talvez fosse complicado para nós naquela época imaginar que nos dias de hoje a PM do RJ ainda estaria atuando como em 1996.

Parabéns Sr Cel Saldanha.

6 comentários:

Anônimo disse...

CASA DO LUCIANO HUCK NA ILHA GRANDE

Decreto de Cabral sobre Ilha Grande saiu três dias antes de a Justiça tentar notificar Luciano Huck

vÍDEO 1 - http://www.youtube.com/watch?v=IZx8wWnHruM


VÍDEO 2 - http://www.youtube.com/watch?v=5m8L5POqUwQ

CHRISTINA ANTUNES FREITAS disse...

Caro Major:

Parabéns pelo reconhecimento ao citado Oficial da PMERJ.

Normalmente é fácil lembrar o que as pessoas fazem de negativo em suas carreiras, mas os fatos positivos são muito pouco lembrados.
Parabéns mais um a vez, inclusive por partilhar a informação sobre o Oficial, com os seus leitores!

Como vai o Elvis?

Vá a Conservatória em 14 Agosto, pois acontecerá o "THE ELVIS MUSIC PROJECT IN CONCERT".
Maiores informações, no meu artigo abaixo:

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010
HAPPY HOUR - POUSADA MARTINEZ - CONSERVATÓRIA - RJ



Vai ser muito bom !

Um abraço para o Sr. e família!
CHRISTINA ANTUNES FREITAS

ref cansado disse...

Projeto limita a carga horária de policiais a 30 horas semanais

Saulo Cruz
Capitão Assumção: carga horária de agentes de segurança pública não pode ser a mesma do trabalhador comum.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5799/09, do deputado Capitão Assumção (PSB-ES), que limita a 6 horas diárias ou 30 horas semanais a carga horária de trabalho dos agentes de segurança pública.

Pela proposta, policiais civis e militares, bombeiros, guardas municipais e portuários bem como policiais federais, ferroviários federais e rodoviários federais, "entre outros", terão direito a essa carga horária.

O autor da proposta lembra que os trabalhadores da segurança pública convivem diretamente com o perigo, o que gera desgastes físicos e psicológicos e uma maior exposição a doenças e acidentes de trabalho. O deputado argumenta também que os policiais, assim como já acontece com os profissionais de saúde, não podem ser equiparados ao regime comum de trabalho estipulado pela Constituição em 44 horas semanais.

A limitação da carga horária, de acordo com o deputado, também movimentará o mercado de trabalho e a economia brasileira. "O projeto fomentará a criação de vagas no setor de segurança pública, reduzindo assim o desemprego", disse.

Regulamentação
Segundo ele, enquanto a União não regulamentar a carga horária diferenciada para agentes de segurança, estados e municípios continuarão a promover uma "verdadeira farra" sobre o assunto. "Há casos de funcionários de uma mesma unidade da Federação que possuem regimes de trabalho diferenciados sem qualquer embasamento legal."

O projeto também garante a adequação do horário de trabalho aos agentes de segurança pública que estiverem em atividade na data de publicação da lei. Nesse caso, eles não poderão ter o salário reduzido em virtude da mudança da carga horária.

Tramitação
A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analsiada pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
Íntegra da proposta:

* PL-5799/2009

Só para seu conhecimento. Minha continência.

Eros Pacheco de Macedo disse...

Os políticos são os que criam as mazelas, não todos é claro.
O que me causou grande satisfação foi a atuação desse Coronel- Hamilton Leandro Saldanha- que exercendo atividade de segurança em outro setor e ficando sabendo que estava havendo um assalto na agência do B. Brasil.Foi até a agência prestar sua ajuda. Isso é espírito público. Fato bem diferente da postura de certos políticos com a coisa pública.
Tal atitude me diz: - Ainda há pessoas sensíveis que colocam sua vida em RISCO para o bem comum.
Parabéns Sr. Coronel, o Sr.vale OURO. Um grande abraço.Precisamos de pessoas como o Sr.
E.Macedo.

Anônimo disse...

Caro Major Wanderby, fiquei sensibilizado com seus comentários ao meu respeito, o trabalho não foi somente meu, mas sim, de toda a equipe do BPRV que tive a honra e orgulho de comandar. Sucesso e um forte abraço do Cel. Saldanha.

Anônimo disse...

E me desculpe, pois só tive conhecimento dos seus comentários no blog, no dia 21 de janeiro. Abraços! Cel Saldanha.