31/01/10

“Minha mulher, a maior advogada do Brasil”

Fonte (da frase): Tribuna da Imprensa

6 comentários:

Anônimo disse...

E quem defende a Polícia Militar???

Como pode um Militar Estadual, com tantas responsabilidades, receber um SOLDO inferior ao SALÁRIO MÍNIMO vigente?

O que é feito com a 2ª maior arrecadação do Brasil?

Conforme o artigo 7º, inciso VII, da Constituição Federal e o artigo 92, inciso I, da Constituição do Estado do Rio de Janeiro, NENHUM SOLDO PODE FICAR ABAIXO DO SALÁRIO MÍNIMO vigente.

O SOLDO É O SALÁRIO DO MILITAR.

Os Policiais Militares do Rio de Janeiro, profissionais de segurança pública que atuam no policiamento ostensivo e preservação da ordem pública, estão completamente desamparados, desmotivados e sem quaisquer perspectivas.

O RIO DE JANEIRO TEM MUITOS BANDIDOS PARA A POLÍCIA MILITAR TOMAR CONTA...

A divulgação da verdade é o pesadelo do Sérgio Cabral Filho (vulgo "Pinóquio"), desgovernador do RJ.

Anônimo disse...

Caro amigo Wanderby,

Estou te escrevendo pq já começo a me conformar com uma possível reeleição do desgovernador SC, sabe pq?? pq estou me preparando para a prova do ICMS-RJ, e se o desgovernador se reeleger haverá mais 04 concursos desse. Pensando dessa forma, estou me sentindo muito melhor do que antes, pois era só angustia e mais nada. Já que ninguém faz absolutamente nada, uma vez que só reclamam nos bastidores dos blogs, eu acho que ele ganhando mais uma eleição, poderei tirar proveito disso. É triste, mas é a pura verdade!!!

Barão disse...

BLOG FORA CABRAL
QUEM ESTÁ INCONFORMADO COM A MEDIOCRIDADE,INCOMPETÊNCIA, CORRUPÇÃO E MENTIRAS, VENHA UNIR-SE A NÓS.

http://cabralnuncamais.blogspot.com/

Ref cansado, disse...

Ao discursar em Plenário, o deputado Francisco Rodrigues (DEM-RR) lembrou que os efetivos policiais de todo o Brasil possuem necessidades semelhantes e, por isso, não é aceitável que haja disparidade salarial. Essa disparidade também foi criticada pelos deputados André Vargas (PT-PR), Asdrubal Bentes (PMDB-PA) e Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE).

Recursos para a segurança
O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) disse que é a favor do piso salarial, mas alertou sobre o risco de os governadores questionarem os efeitos da PEC no Supremo Tribunal Federal, por meio de ação direta de inconstitucionalidade.

O deputado José Maia Filho (DEM-PI) defendeu a PEC e também a aprovação do Fundo Nacional de Segurança, “para que nenhum governo estadual use a falta de recursos como desculpa para não garantir mais segurança à população brasileira”.

Valorização profissional
Em seu discurso, a deputada Jô Morais (PCdoB-MG) afirmou que a mobilização em torno da PEC 300 representa não apenas a discussão em torno da remuneração de uma categoria profissional, mas do debate sobre as políticas públicas de segurança.

O deputado Elismar Prado (PT-MG) afirmou que, apesar de o Brasil ter avançado em condições sociais, a segurança pública é a maior preocupação dos brasileiros.

Já o deputado Lincoln Portela (PR-MG) criticou a existência de distorções nos gastos com segurança. Ele destacou que, enquanto as famílias de alguns detentos têm direito a um auxílio reclusão de R$ 600 e o Estado gasta cerca de R$ 2 mil com cada preso, os policiais do Rio de Janeiro recebem R$ 900 por mês.

Por sua vez, o deputado Paes de Lira (PTC-SP) lembrou que muitos policiais passam por dificuldades financeiras. Já as deputadas Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Fátima Bezerra (PT-RN) ressaltaram que os salários dos militares encontram-se defasados e que a categoria perdeu poder aquisitivo ao longo dos últimos anos.

Pedido de votação
O deputado Sérgio Petecão (PMN-AC) disse esperar que nenhuma estratégia regimental seja usada para adiar a votação da PEC. Ele disse que a maioria dos deputados é favorável à equiparação salarial e, por isso, não haveria razão para adiar a análise do tema.

Na avaliação dos deputados Mauro Nazif (PSB-RO) e Leonardo Monteiro (PT-MG), a aprovação da PEC 300 dará mais dignidade à categoria, que, segundo Nazif, apresenta alto índice de distúrbios emocionais e psicológicos.

Os deputados Armando Abílio (PTB-RS), Neudo Campos (PP-RR) e José Airton Cirilo (PT-CE) também pediram a votação PEC 300.

Policiais civis
O deputado Ilderlei Cordeiro (PPS-AC) pediu a inclusão dos policiais civis entre os beneficiários da PEC. Já o deputado Jorginho Maluly (DEM-SP) defendeu a votação da PEC 549/06, que equipara o salário dos delegados ao do dos integrantes do Ministério Público.

O ato de ontem teve o apoio da Frente Parlamentar em Defesa dos Policiais Militares e Bombeiros Militares. Em 2009, o Disque Câmara (0800 619 619) recebeu 36 mil ligações de apoio à PEC 300.

Uma outra proposta em análise na Câmara (PEC 446/09, do Senado) prevê a criação de um piso salarial nacional para policiais civis, militares e bombeiros militares. O texto transforma os salários dessas três categorias em subsídios e estabelece que o piso será fixado em lei federal.
Íntegra da proposta: Só pa seu conhecimento, Nobre guerreiro. Que Deus te abençôe sempre.

Ref cansado disse...

Complementando... Deputados manifestam apoio à PEC que cria piso salarial para PMs

Diversos deputados defenderam ontem, em discursos no Plenário, a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300/08, que cria um piso salarial nacional para os policiais militares e bombeiros militares. Cerca de 5 mil policiais militares e bombeiros de todo o País realizaram ontem, em Brasília, um ato pela aprovação da PEC e ocuparam as galerias do Plenário da Câmara.

O deputado Capitão Assumção (PSB-ES) lembrou que o presidente da Câmara, Michel Temer, assumiu no fim do ano passado o compromisso de colocar a PEC em votação. Uma comissão especial da Câmara aprovou a proposta em novembro passado, na forma do parecer do deputado Major Fábio (DEM-PB), e definiu o piso em R$ 4,5 mil. A PEC ainda precisa ser votada pelo Plenário.

Para o autor da proposta, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), o piso nacional vai evitar distorções salariais entre os estados. Ele defendeu a aprovação do texto original da PEC, que equipara o salário da categoria em todo o País ao dos PMs e bombeiros do Distrito Federal. Os deputados da comissão especial, no entanto, retiraram esse dispositivo por considerar que a Constituição veda a equiparação salarial.

Anônimo disse...

O que vc's acham disto para eles CAMAROTE DA LIESA para nós TRABALHO 0800 E punições O 3º Sgt BM Q02/89 PAULO PEREIRA GARRIDO DA SILVA, RG 11.249,
do DBM 3/19, por ter adentrado nas dependências do Sambódromo no dia 15 de fevereiro do ano
em curso, por volta das 23:40h quando das atividades do carnaval 2010 sem estar escalado para
BOLETIM DASUBSEDEC/CBMERJ NÚMERO 031 DATA 19/02/2010 FOLHA1130
Operação Carnaval, bem como estar com uniforme não compatível ao RUCBMERJ e ainda por ter
tentado disponibilizar o acesso de sua filha no setor daquele local, não justificando as alegações
apresentadas em sua resposta ao memorando nº OP. Carnaval s/n/2010, de 16 fev 2010, quando
exerceu o seu direito constitucional de ampla defesa, contrariando o previsto no item 7 e 20 do
anexo I, com agravante de Nº 02 do art. 19 e atenuante de Nº 01, do art. 18 do RDCBMERJ,
transgressão MÉDIA, fica DETIDO por 15 (QUINZE) dias.
A presente punição será a contar do dia 22 Fev 2010, devendo o referido
praça ser colocado em liberdade após a parada diária do dia 09 Mar 2010 e será cumprida no 19°
GBM – Ilha do Governador.
Em consequência, o Comandante do DBM 3/19 GALEÃO PISTA, providencie
quanto ao fiel cumprimento da presente punição disciplinar e os órgãos, aos quais advierem
responsabilidades, tomem conhecimento e providências julgadas necessárias no âmbito de suas
atribuições. HIPOCRITAS !!!!!