11/11/2007

CARTA ABERTA AO SR. PHILIP ALSTON.

"Rio de Janeiro, em 11 de novembro de 2007.

Ilmo Sr Philip Alston.

DD Relator Especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre execuções arbitrárias, sumárias ou extra-judiciais.


Como cidadão brasileiro e morador da cidade do Rio de Janeiro, gostaria de externar minha perplexidade e preocupação diante do êxito das táticas aparentemente aplicadas pela administração Sérgio Cabral para desviar o foco das discussões ora vigentes acerca da 'política de segurança' empregada no estado.
Ao promover a polarização das atividades de direitos humanos e da polícia, ela encobre, no mínimo, duas coisas: a sua própria responsabilidade (accountability - não falo de culpa) pelas sucessivas e recorrentes mortes de policiais e de inocentes (também não estou sequer mencionando os supostos criminosos) e a possibilidade de que a visita do relator pudesse se prestar ao carreamento de denúncias pela própria polícia contra a administração Cabral.
Imagino o que deve ter passado por sua mente ao receber, em detrimento de pauta de denúncias e reivindicações, a réplica de um blindado.
Embora não esteja certo de que terá acesso às presentes linhas, gostaria de pleitear o carreamento à Organização das Nações Unidas de alguns poucos, porém significativos, fatos do cotidiano das forças policiais do RJ e cuja responsabilidade não é dos criminosos, mas sim, da própria administração Sérgio Cabral.
Há discrepância significativa no que concerne à remuneração e jornada de trabalho imposta aos integrantes das polícias civil e militar, tendo estes condições ainda mais desfavoráveis do que aqueles. Há hipóteses ordinárias em que policiais militares chegam a ter jornada semanal superior a 70 (setenta) horas e tal fato tende a agravamento quando da realização de grandes eventos, diante de seu emprego mesmo durante o que seria período de recomposição fisiológica. Quanto à remuneração, o topo da Polícia Civil chega a receber mais de que 1500 % do que a base da Polícia Militar, que ostenta os piores salários do Brasil.
A manutenção das Unidades de Polícia Militar é feita com a mesma parcela do erário destinada à alimentação de seus homens e mulheres, ou seja, com a "economia de rancho". Não há dotação orçamentária específica.
O estado do RJ é devedor do sistema de saúde da Polícia Militar em mais de US$ 50.000.000,00, concorrendo de maneira significativa para a debilidade do atendimento à crescente demanda.
Um soldado de polícia militar em início de carreira recebe do estado do RJ como paga mensal por seus serviços pouco mais de US$450,00. Recentemente, o simples e democrático intento de realização de passeata de protesto contra os baixos salários foi rechaçada - com êxito - pelo governo Sérgio Cabral com a possibilidade de imposição de sanções disciplinares aqueles que dela tomassem partido.
Apesar de seu grande efetivo e de sua abrangência territorial, os serviços prestados pelos policiais militares são limitados pela necessidade de preservação de status quo da classe policial de delegados de polícia, não sendo franqueada aos mesmos pelo governo Sérgio Cabral sequer a possibilidade de condução direta à justiça das demandas criminais de menor potencial ofensivo. Não por acaso, a perícia criminal, fundamental à elucidação de delitos, também é mantida sob tutela dos delegados de polícia.
As taxas de elucidação de delitos pela Polícia Civil, embora existentes, são mantidas sob absoluto sigilo. Na única oportunidade em que foram divulgadas, eram próximas de zero.
As atividades investigativas da Polícia Civil são cada vez mais revestidas de ostensividade e é usual a concessão de seguidas entrevistas por investigadores sobre casos que sequer lograram encaminhamento definitivo ao Ministério Público. Investigadores de verdade deveriam utilizar coletes com inscrições e veículos caracterizados com o nome 'POLÍCIA'?
A Polícia Militar também é cada vez mais afastada de seu mister principal; a prevenção/dissuasão da delinqüência e a disseminação de sensação de segurança dá lugar ao emprego eminentemente bélico, em ações de natureza militar e sob a concepção simplória de 'guerra contra o crime'.
Paradoxalmente, a criminalidade de pequena monta, e.g., jogo do bicho, permanece, mesmo a despeito das reconhecidas ligações que tem com práticas lesivas outras, imersa na mais flagrante impunidade. Os delitos e as infrações de trânsito também se apresentam cada vez mais freqüentes e, não por coincidência, olvidados pela polícia.
Alheio às suas responsabilidades em relação às condições de trabalho e mesmo à vitimização de seus policiais e civis, o governo do estado restringe sua falação ao impactante e recorrente discurso do 'combate ao crime' e mais inocentes são vitimados, inclusive, dentre os próprios operadores finais da 'política de segurança' do RJ.
Em síntese bastante apertada, estes são alguns dos pontos dos quais emerge a verdadeira espiral da violência na qual se inserem - e da qual são vítimas - os organismos policiais do estado do RJ.
Respeitosamente,

WANDERBY BRAGA DE MEDEIROS
"

O documento, traduzido, foi encaminhado eletrônicamente às instâncias competentes da Organização das Nações Unidas.

25 comentários:

Anônimo disse...

MUITO BEM ,ESTÁ deveria ser entregue a êle pessoalmente para ver a miséria que os PMM recebem por mês.

POR ONDE ANDAM AS ONGS, OAB, ESTE FISCAL DA ONU , OS INTELECTUAIS,ARTISTAS,ASSOCIAÇÕES DE MAGISTRADOS, POIS NO FUNERAL DOS DOIS PMM E DO POLICIAL CIVIL ASSASSINADOS COVARDEMENTE ESSES HIPÓCRITAS NÃO ESTAVAM NO LOCAL DANDO SUA OPINIÃO DO EXTERMÍNIO DESTES POLICIAIS E TÃO POUCO APOIO AOS FAMILIARES.ESSE TAL DE FREIXO E MALON SÃO REALMENTE UNS APROVEITADORES,SÓ ESTÃO DO LADO DE BANDIDOS.ENTRETANTO O DEPT PAULO RAMOS E CORRONEL JAIRO QUE SÃO DA COORPORAÇÃO TAMBÉM NÃO ESTAVAM,QUE REPRESENTANTES NÓS TEMOS NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA?E O DESGOVERNO NÃO COMPARECEU PQ?ESTAVA COM MEDO OU SE ESCONDEU, OU BOTOU A CARA ENTRE AS PERNAS IGUAL A AVESTRUZ?QUER DIZER ENFIOU A CABEÇA NO BURACO,ESTE DESGOVERNO DEVERIA TER VINDO PARA A TV E IMPRENSA EM GERAL DAR SUAS DECLARAÇÕES BOMBÍSTICAS,FALANDO A RESPEITO DOS ASSASSINATOS MAS NÃO O FEZ PQ?PQ É UM FANFARRÃO,FANFARRÃO,EU TENHO CERTEZA QUE NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES ESSE FANFARRÃO NÃO ARRUMA MAIS NADA, POIS É UM FANFARRÃO

Anônimo disse...

By, by, estrume, dessa vez voce sifuuuu.

Anônimo disse...

Wanderby,PHILIP ALSTON não representa nada na ONU. Ele é líder de um ONg de direitos humanos ligada a ONU, e foi "convocado" pelas Nações Unidas para vir ao Brasil a pedido de Ongs brasileiras. Isso Wanderby, só está acontecendo porque as ongs se sentiram profundamente atingidas pelo filme Tropa de Elite que, intencionalmente ou não, fragilizou as organizações não governamentais diante da opinião pública. Wanderby, o relatório do representante da ONU não tem nenhum valor e o governo estadual sabe disso. Eu vejo sua luta quase inglória, na qual vc oscila momentos de lucidez, brigando pela briosa e nossos homens e mulheres, com momentos de esquizofrenia incompreensível, exibindo um lado politiqueiro, vingativo, não compatível com a imagem digna que temos de vc. Refaça-se. Reorganize-se. Redirecione-se.
Bem, fica uma abraço e os votos de sucesso naquilo que for mais justo nessa sua luta tão solitária.

Anônimo disse...

Neste lamaçal em que vivemos, não é de se espantar quando nos agarramos a qualquer coisa que nos ajude. A questão é que a PMERJ está afundando no lamaçal da política e os PPMM não têêm em que se apoiar. Por isso caro companheiro, quero deixar claro que o apoio incondicionalmente, pois reconheço sua luta pelos ideais que defende. E quero dizer-lhe que é memorável seu esforço em fazer ouvir a voz de milhares de guerreiros mudos, que são impedidos de expressar seus sentimentos. Exatamente por àqueles que poderiam e deveriam falar por eles. (postado por mais um aleijado da pmerj)

Anônimo disse...

WANDERBY,NÃO LIGA NÃO ISTO E COISA DE INDIOTA QUERENDO OFUSCAR O SEU TRABALHO.

JUNTOS SOMOS FORTES.

Anônimo disse...

wanderby voce é uma vergonha! depois do mst agora lambe as botas do gringo que defende os direitos humanos para os desumanos.

não sei porque ainda não te demitiram a bem do serviço publico (e da policia). traidor imundo.

Anônimo disse...

A volta triunfal dos Treme-Terras, o Cel PM Hudson e o Água de Salsicha vão voltar. Aguardem.

Anônimo disse...

Wanderby, meu amigo, essa sua carta provoca o único efeito de mostrar o quanto vc tem se partidarizado com idéias fora da nossa realidade. Meu amigo, vc não entendeu o rídiculo que foi a missão do gringo? Saiu daqui sacaneado, com um caveirão na mão. Wanderby, o Philip, a quem vc presta honras é uma pessoa sem nenhuma significância. Ele não é membro da ONU e representa interesses onguistas. É isso que vc pretende? Pelo que vc está lutando afinal? É uma questão pessoal contra a SSP? Contra quem?
Cara, vc é inteligente demais para ficar fazendo papel de bobo! A cada dia perde a admiração dos seus amigos e seus subordinados, quando demonstra afeição pelos nossos adversários. Brigue por nós, junto de nós, contra o governo, mas sem se fazer ingênuo porque sabemos que não é, e acaba parecendo mal intencionado. Não vou mais ler vc, Wanderby. Vc se envolveu numa questão pessoal, perdeu o rumo e segue um deriva que não vai levá-lo a nenhum lugar que não seja o porto da indiferença dos seus iguais ou do mundo político que a cada dia parece se aproximar mais. Deixo de ler vc hoje. Voltarei quando entender que não é mais a vingança que te dirige e sim os velhos ideais que nós conhecemos de tantos anos.

Anônimo disse...

pegou mal essa Vanderby, não tá vendo que o cara não tem nenhum poder nem da ONU é.

tem hora que vc dá uma bolas foras.
virou ongueiro?

Anônimo disse...

Nome: Alexandre Silva - 14/11/2007 - 16:48
" por entrega a seus ideais." Ideiais de defender marginal. De proteger os lobos e abandonar as ovelhas. Estes sao os ideais destas ONG's, se estes ai nao recebem nao muda muito, eles estao errados da mesma forma. Tem de parar de defender bandidos. Nome aos bois: Ong sem razao e hoje perdida "Viva Rio". Ong boa e com nosso apoio: "Gabriela sou da Paz". So olhar quem e contra a morte de marginais. Quem nao deixa entrar armado em disputa como no trafico do Rio. Que pensa que Beira Mar tem direito a sair do RDD. Aqueles que pensam que marginais como Tota sao coitados. Quer Ong a meu ver sem rumo esta "Justica Global Brasil" que trouxe a Onu. Bando de gente que apoia marginal e portanto na concepcao de muitos sao bandidos. Eu torco que eles sejam iluminados e parem de defender bandidos. Para a "Justica Global" digo "Por que non te calas"?

Anônimo disse...

Nome: Mauro C Costa - 14/11/2007 - 18:39
Esse major da pm é muito recalcado, escreva sobre a sua instituição ou faça faculdade de direito, concurso para delegado e lave essa boca antes de falar da polícia civil.

Anônimo disse...

Nome: Fernando Augusto de Noronha Castro Pinto - 14/11/2007 - 17:02
Tá querendo aparecer.....

Ele já subiu morro para proteger cidadão ou está só querendo proteger o salário?

O ideal dele é esse mesmo: a PM finge que faz alguma coisa e ninguém sai ferido.... só os honestos!

Anônimo disse...

Nome: Rodrigo Barçal Rodrigues Cechinel - 14/11/2007 - 16:52
Eu apóio o Cabral. Não pelo que fez no passado, não pelo que ele fará no futuro, mas pelo que ele está tentando fazer agora. Ele vai errar, ele vai falar demais, mas ele determinou que houvesse combate ao crime. Isso é um avanço e ponto final.

E alguém vai dizer que ele só faz o que faz pq quer ser presidente. Não importa, isso não invalida as ações acertadas de agora.

Acho que as reinvindicações salariais do Major Wanderby são urgentes e devem ser encaradas como tal pelo governador. Mas também acho que levar ao Mr. Alston questões como "agentes que dão entrevistas" e "agentes investigativos que usam colete com a inscrição Polícia" não faz sentido para mim. Como Major da Corporação, apelar para o gringo revela falta de paciência e deficiência de articuação e mobilização.

Anônimo disse...

Nome: sujeito com patologia mental - 14/11/2007 - 16:43
Simples, entidades de DHs e Ongs por anos e anos e anos pressionaram por uma legislação frouxa, bloquearam todas as tentativas de fazer uma legislação mais rígida, bloquearam por anos e anos toda e qualquer tentativa de redução da maioridade penal, bloqueam através da desonestidade intelectual, qualificando de chacina, o enfrentamento armado a grupos fortemente armados que dominam áreas inteiras da cidade. Além de crerem e só crerem em soluções assistencialistas. E propagarem esta solução como solução única por tanto tempo e de tal forma, na mídia, bem como seu horror pelo exercício por parte do estado do monopólio da força, que a tese do bandido é coitadinho virou o norte da política de segurança pública, por governos a fio. Eles tem culpa sim. A injustiça social, a ganância e as idéias anacrônicas deste pessoal, onipresentes na mídia, são a receita do bolo de violência no qual estamos inseridos. Aqui não se combate o crime efetivamente porque quando um governo tenta fazê-lo, eles apelam até a ONU.

Anônimo disse...

Nome: sujeito com patologia mental - 14/11/2007 - 16:25
o radicalismo ideológico deste pessoal que hoje define o que é direitos humanos, seu fundamentalismo, sua recusa a qualquer solução não assistencialista, sua total hojeriza pelo exercimento por parte do estado do monopólio da força, seu apego desmesurado a leis frouxas patrocinadoras da impunidade, tudo isso tornou estes direitos humanos, como são atualmente definidos, algo profundamente detestado pela sociedade.

Anônimo disse...

Apelido: zoot - 14/11/2007 - 15:17
A sociedade hoje, mais do que qualquer outro época, tem meios para saber e detectar quem de fato ajuda a sociedade, e quem se vale das mazelas sociais para fazer dinheiro! E aqueles que se valem da desgraça alheia para faturar, enriquecer. A sociedade tem que fazer cessar esta renda, que alimenta a hidra!

Anônimo disse...

Nome: sujeito com patologia mental - 14/11/2007 - 15:03
Esse pessoal, os talibãs ideológicos dos direitos humanos, os mais radicais, que infelizmente tiveram por muito tempo o monopólio de opinião sobre a questão da segurança pública, na mídia, estão desmoralizando os direitos humanos e tornando-os antipáticos e detestados. E isso se dá porque o que eles chamam de direitos humanos nada mais é do que uma dogmática cegueira ideológica, baseada em anacrônicas teorias e ideologias, condenadas ao fracasso quando em contato com a realidade. A realidade(e o ecstasy, e os crimes de colarinho branco e as Suzanes e etc...) desmentem sua implicação direta e exclusiva entre injustiça social e crime. Por acreditarem piamente na implicação direta e exclusiva da injustiça social com o crime, eles querem resolver tudo com assistencialismo e medidas sociais. NÃO DÁ CERTO. Melhora do IDH das áreas pobres, educação maciça, mas combater pela força os grupos fascistas que impõe o terror na favela e tornar as leis minimamente rígidas (como estão são uma piada) é imperativo.

Anônimo disse...

Se esse pessoal quer defender mesmo quem eles pensam que defendem, o povo de mais baixa renda, eles devem começar exigindo o fim imediato do domínio do tráfico nas grandes favelas e o fim do domínio das favelas por grupos fascistas, terroristas e violentos, armados até os dentes e cruéis até a medula. E desde que o homem é homem, não se enfrenta um grupo cruel fortemente armado com flores e palavras doces. É com armas, investimento no social e leis rígidas que se faz isso. Eles querem só o investimento no social. Como os condomínios e o ecstasy explicam muito bem: NÃO VAI DAR CERTO.

Anônimo disse...

Nome: Gustavo P - 14/11/2007 - 13:32
Sim, Cinthia

Eu apóio o Major Wanderby em sua luta pela "polícia que queremos" (eu contribuí naquele site tb).

Só tenho medo desse "há governo, sou contra"
Estava lendo agora o blog do Projeto 200 anos....tem um tópico lá que sugere que o Beltrame deveria ser demitido. Fala sério! Quem entraria no lugar, o Josias Quintal? O Precioso?

O Beltrame é um dos poucos secretários de Segurança que ainda inspira alguma confiança. É aparentemente honesto e tem um passado na área de inteligência.

Continuem na luta, mas levando em consideração que ainda estamos no primeiro ano de Governo

Anônimo disse...

Apelido: CínthiaCosta - 14/11/2007 - 13:12

É muito fácil criticar o Major Wanderby, debochar da barriga dos policiais, desejar até a morte deles... Quero ver é "ser homem" e com coragem enfrentar tanto essa luta pelos seus direitos de cidadão, como pela sua vida no exercício do trabalho de policial.(eles não podem andar como qualquer cidadão, precisam esconder documentos..). Os bandidos estão bem armados devido a conivência de pessoas sem escrúpulo de todos os níveis da nossa sociedade e com ódio dos PMs.
Admiro o major como a tantos homens de bem que estão servindo na Polícia Militar.
Nós sabemos q o sr. Sérgio Cabral tem pouco tempo de governo, mas tb sabemos que suas idéias em sua gestão são extremamente afirmativas.
Não acredito que o major Wanderby esteja pretendendo aumento para a Polícia com essa carta nem mais com esse governo. Mas é um homem que certamente está mostrando que é de honra.
E homens assim existem poucos neste país.

Anônimo disse...

Sobre o Major: eu acho ótimo ver que na polícia existem pessoas e movimentos preocupados com a mudança da PM. Acho totalmente justas as reivindicações sobre melhores salários e condições de trabalho.

Só espero que esse tipo de reivindicação não tenha uma conotação política. Achei injusto por exemplo, protestar contra o Cabral por aumento de salário nos primeiros 6 meses do Governo, enquanto sabemos que ele herdou um Estado quebrado dos Garotinhos. Por que não pressionaram tanto os Garotinhos nos ultimos 8 anos?

Achei o titulo do tópico forte demais tb: ora essa, mortes de policiais e inocentes acontecem há muito tempo já. Ano passado perdi a conta de quantos policiais vi sendo mortos em assaltos nos jornais. Esse ano tb.

Infelizmente, os confrontos tendem a continuar. Só espero que o Cabral TAMBEM pense nas questões estruturais: bons salarios, equipamentos, policiamento preventivo, etc.

Anônimo disse...

Nome: Usinas em Minas - 14/11/2007 - 12:51
CITANDO PARA CONTEXTUALIZAR. "Carta-aberta : Major responsabiliza Cabral por mortes de PMs e de inocentes:

Sr Soares, com certeza votou no Brizola e nos Garotinhos, culpar o Cabral pelas mortes transcende a inteligencia. Os baixos salarios e dividas nao justificam as mortes. O Cabral esta no governo tem pouco tempo, depois do populismo que tivemos. Tem de enfrentar a bandidagem. E dar um aumento de salario a policia. Agora cu.pa-lo por mortes por armas que estao onde estao antes dele chegar ao poder. Com bandidos que quando ele tomou o poder ja estavam atirando e andando. Ai esta a defasagem dos direitos humanos em relacao ao pensamento da sociedade. Eles querem a politica de brizolismo que acabou com o Rio. Empresas vao embora bla, bla, bla, bla. O Caca jogador do milan disse que com a violencia como esta pode sair da Italia. Cariocas pensem nisto por favor. E o Rio como fica? Lembram de quando queriam fazer da Barra cidade? So sobrou a Barra no Rio.

Anônimo disse...

Nome: Ricardo Rangel Froes - 14/11/2007 - 12:16
Segundo o Artigo 43 do Estatuto Dos Policiais-Militares, "são proibidas quaisquer manifestações, tanto sobre atos superiores, quanto as de caráter reivindicatórios ou político.". portanto nada mais justo que o governo ter impedido a realização de uma passeata de protesto da PM.
Além disso, a carta-aberta, sabe muito mais a uma retaliação político-partidária do que a uma proposta justa. Não quero dizer com isso que os vencimentos da Polícia Militar sejam justos - não são -, mas, sem dúvida, esperaram que acabasse um governo que nada fez em oito anos para reivindicar a outro que nem um ano ainda tem. Que me conste, no governo Garotinho-Rosinha, a situação dos PMs era a mesma, se não fosse pior, então, por que só agora?
Quem sabe, com o "Projeto 200 Anos", que afirma ter o “único objetivo de construir uma nova Polícia Militar, como instituição honrada e integrante do Estado do Rio de Janeiro e não pertencente ao Governo do Estado do Rio de Janeiro”, a política passe a ser irrelevante?

Anônimo disse...

Sr Wanderby,
Como Oficial Superior da PM, você deveria estudar mais o Código Penal Militar ou, se estiver com preguiça, vá direto ao artigo 166, que subscrevo abaixo:

Publicação ou crítica indevida

Art. 166. Publicar o militar ou assemelhado, sem licença, ato ou documento oficial, ou criticar públicamente ato de seu superior ou assunto atinente à disciplina militar, ou a qualquer resolução do Governo:
Pena - detenção, de dois meses a um ano, se o fato não constitui crime mais grave.

Deveria se precaver mais para evitar dor de cabeça no futuro, ou no RJ a Justiça Militar não funciona...

abraços...

alguém q acreditava na policia disse...

sei q sua luta ñ em vão, um dos maiores problemas hoje no RJ, é q a maioria dos cargos d confiança, ou seja, comando geral das policias civil e militar, CBMERJ, assim como, chefia d delegacias e comandos d batalhoes, são cargos politicos, os coronéis e delegados ñ entram na luta por medo d perderam seus "privilégios", e enquanto isso a maioria d praças, inspetores, vão c afundando em dividas d emprestimos, ou seja, como dizem na ESFo, "dê pouca comida, e tropa comera em suas mâos".