27/10/2007

Carta de uma futura mãe negra a Sérgio Cabral.

"Governador, sou negra, contadora, casada, moradora de São Gonçalo e, em novembro, terei o meu primeiro filho. Com certeza, ele não será marginal, apesar de nascer semelhante aos filhos do Congo e numa cidade predominantemente carente. Carência essa agravada por políticos como o senhor, que usam a mídia para criticar e responsabilizar o povo ao invés de agir em prol desse mesmo povo que o elegeu para implementar políticas sérias de combate às desigualdades sociais.
Como pai de uma prole numerosa, o senhor não é exemplo de controle de natalidade.
Ah, desculpe-me!
Os seus filhos são brancos e nasceram na Zona Sul carioca.
O meu ventre não é fábrica de marginal.
SCHEILA PAULA FAGUNDES VARGAS
" (O Globo- Cartas dos leitores – 26Out07).

16 comentários:

Anônimo disse...

Prezada "senhora negra" dona Sheila, de São Gonçalo, como prefere identificar-se.
Primeiramente devo dizer-lhe que pelo critério apresentado pelos grupos militantes da "causa negra", "quilambolas" etc, o governador Sérgio cabral é negro.
Sim, ele é negro pelo critério de origem. Talvez ele não saiba, sabe por que?
Porque o discurso racial é racista e falacioso.
Isso! Ele é negro sem sabê-lo!
Sabe por que não sabe?
Porque o problema não é efetivamente de cor da pele, ou de origem étnica, mas é de situação social, senhora e ele não sofre discriminação desde muito, porque seus ascendentes trataram de vencer essas bareira pelo esforço pessoal.
Daí ele não saber que, pelos critérios de origem, é negro! Mas, pelo critério de classe, não!
Olha, a senhora sabia que no Rio há favelas onde a maioria é nordestina "negra-papel-fino", como o governador, mas que o discurso político-politiqueiro insiste na afirmação que a esmagadora maioria é negra tipo...pura?
Eu quero dizer que são pardos, parte branca, parte índia, parte negra e até um pouco amarela. A senhora sabia?
Dona Sheila, vemos que a senhora é uma mulher que não precisa usar o benefíco da cor da sua pele para se dar bem, mas há outras tantas capaz es de se dizerem negras para obter uma vantagem, um benefício, como fazem os pseudos-doentes, pseudos-mutilados que engrossam a fila do INPs.
É possível vislumbrar, sem nenhuma dúvida, um futuro "não marginal" para seu filhinho que vai nascer.
Ele não está "destinado" à marginalidade porque será EDUCADO, e educado para conviver com a multirracialidade de forma tolerante, sem ódios e sem sentimentos de inferioridade que alguns de sua própria cor muitas vezes o farão pensar existir.
Abraços dona Sheila.
Aliás, apenas do Sheila, sem raça, sem ódio.
Dona Sheila, contadora de São Gonçalo.
Saúde para a senhora e seu filho!

Anônimo disse...

"...PELO ESFORÇO PESSOAL"

(?) ....UM PINGO É LETRA

Subten Esteves disse...

Sou PM, branco de origem puramente européia, meus filhos são brancos, loiros, e não estão mais perto ou mais longe da criminalidade do que o ainda não nascido filho dessa Sra. Com certeza estão mais longe da faculdade, pois não serão beneficiados por cotas destinadas a negros, cotas racistas. Como PM não preciso dizer que meus sentimentos em relação ao governador são os piores possíveis, mas não é crível que o discurso do politicamente correto dessa gente embace seus olhos a ponto de não verem que o que ele disse está corretíssimo. Pobre não pode ter um monte de filhos!!! Os pais perdem o controle da educação deles pelo simples fato de terem que trabalhar, se honestos forem, para poderem os sustentar, e a marginalidade então os abraça. Diferente dos nascidos em berço de ouro que se marginalizam por pura ganância e falta de limites. O aborto é a solução? Talvez sim, talvez não. Pessoalmente acho que o acompanhamento das futuras mães nos postos de saúde com a conscientização e ligadura das trompas seja mais eficaz, afinal não é assim que se faz nas classes menos pobres? Ao nascimento daquele que acham que deva ser o último filho as mulheres se submetem a tal cirurgia, menos danosa ao organismo que futuros possíveis abortos?!?! Movimento racial, ONG, Direitos humanos, a farsa do politicamente correto... tudo isso só serve pra evitar que se coloque o dedo nas feridas, e acaba que o paciente morre perdendo sangue. Mas pior ainda é criticar alguém por ele morar na Zona Sul, ser de família abastada e poder dar um bom estudo aos filhos. Será que também eu tenho que pedir desculpas por um de meus filhos estudar em um colégio particular?

pmutopia disse...

Pois é... O que falar sobre isso? Acho que o que me resta é desejar boa sorte para essa senhora, e assimilar esse sentimento à minha causa e a de todos que lutam por um amanha melhor!

Tenente Ferreira - 23 BPM Leblon

Anônimo disse...

Cacete, nao sabia que tinha tanta gente racista, idiota e ignorante nessa Policia.

Ass. Tenente PM Africano, mas nao negro.

Anônimo disse...

Ainda que bem elaborada com uma argumentação quase irretocável uma tergiversação será incapaz de destruir a essência da verdade!
(EU)

Fabíola Scunderlick disse...

Não assisti a reportagem inteira, só o que aqui está no blog. É extremamente ridículo e hipócrita um homem do poder que com certeza teve bons estudos, querer dizer que liberando o aborto, terá diminuição na criminalidade, isso é até uma piada e de muito mal gosto!
Em relação a mãe de São Gonçalo, concordo que infelizmente haja ainda muuuuito racismo, principalmente aqui pra região sul, onde já ouvi o disparate de que um bairro não era muito valorizado os terrenos por morar alguns negros nele, não pensamos que ainda exista esse tipo de coisa não é mesmo?!
Mas... no vídeo foi falado em mulheres carentes, isso não quer dizer que todo negro seja carente, pois a senhora grávida frisou muito sua cor e descendência. Só quero dizer aqui que há o racismo por parte dos negros, dos amarelos, dos vermelhos, dos roxos... Onde isso vai parar? Somos todos iguais perante Deus.
E tb dizer que pobre não pode ter muitos filhos é sacanagem!!
Agora vamos criar uma lei:
Pobre: pode no máximo ter um filho, de preferência homem (pra não engravidar).
Classe média: dois filhos.
Classe média alta: de três pra cima.
Rsrsrsrsrsrsrsrsr
Que mundo é esse meu Deus??????

Anônimo disse...

Prezado Tenente Africano (do Sul, suponho):
Exponha sua idéia (Se o senhor tiver alguma, claro!).

Anônimo disse...

Caro anonino. Sou Ten Africano do norte, ali pelas areas dos berberes e da cirenaica. A ideia e essa mesmo. Muita gente racista, ignorante e idiota por Cm³.

Tenho dito.

Anônimo disse...

Brasil, meu Brasil brasileiro,
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos...
................................
Abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do serrado,
Bota o Rei-Congo no congado.....


(Aquarela do Brasil
Ari Barroso, 1939)

Anônimo disse...

Subten Esteves. Por acaso seu outro sobrenome é Hitler ou Mengele?

Que papinho de nazista (filhos loiros, origem "puramente" europeia).

Vc pode ate ser branco, mas nao passa de mais um PM faminto, como eu.

O que adiantou ser "puramente europeu"?

Tenente Tuareg (Africano, mas que nao e negro)

Subten Esteves disse...

Em primeiro lugar, anônimo, seja homem e bote a cara!!!! Em segundo, tenho a lhe informar que Esteves é um sobrenome de origem ibérica (Portugal e Espanha), não alemão como você supõe -se é que sua mente curta e embaçada pelo racismo que você acha que sofre consegue supor algo. Quanto a ser puramente europeu, qual o problema? Negro pode dizer que se orgulha de ser negro e eu não posso me orgulhar de ter sangue puramente europeu? Não posso me orgulhar de meus pais, avós e bisavós serem do continente europeu como os negros afirmam qua têm orgulho da origem africana? Quem está sendo racista?E se você é Oficial da PM e faminto é porque como a maioria das pessoas que se julgam discriminadas e que se escondem atrás de discursos anti-racismo, ficam aguardando as benesses do poder público para galgar algo mais do que a pura e simples sobrevivência. Sou PM e com muito orgulho!!! Porém não sou faminto!!! Eu ESTUDEI, ESTUDO (Sem precisar de cota de qualquer natureza) e também tenho outras profissões e meios de subsistência. EU TRABALHO!!!! Vá trabalhar também anônimo, quem sabe se, ao invés de ficar se lamentando de um suposto racismo contra os negros, trabalhando, você deixa de ser um faminto.

Anônimo disse...

Quer dizer que vc trabalha fora da PMERJ? Sabia que isso é ilegal...?

Vc está tão por fora que nem entendeu a minha ironia. Ironia tambem é o meu estado famélico. Graças ao meu estudo, passei na APM, onde nao tem cotas. E tambem estudo, guerreiro, estou terminando minha 2ª graduação - sem cotas - porque, como disse, nao sou negro.

Ah puramente europeu... Se tu és brasileiro, saiba que nao é 100% branco.

Como PM vc é faminto sim. Se faz bicos e trabalha em dobro e tem outra profissao, voce ganha bem por isso. Ganha uma mixaria no bico e soma com a mixaria da PM e dá um salario mais ou menos. Mas na PM, ganha mal.

Mas sua mente não alcança isso...

Prefere ficar com esse orgulho besta de antepassados que, talvez, nem conheça. Orgulhe-se do que és, nisso concordo contigo...

Mas orgulhar-se so pelo fato de ser branco, isso é racismo sim. Mas... O que esperar não é...?

Ass.: Ten PM Karin Ibn Saifudin

Anônimo disse...

PARA EU OPINAR PRECISO, PRIMEIRO, SER ESCLARECIDO SOBRE QUAL DAS SUAS ATIVIDADES O "PURO-SANGUE" AÍ CONSIDERA "BICO".

Anônimo disse...

O "purinho" ai deve ser alguma segurança, alguma milicia, LAN HOUSE ou qualquer outro negocio marrom e desqualificado.

Ass.: Tipo "a"

Vini disse...

Quero ver uma mulher esperando o 5º filho mandar uma carta dessas ao governador =) não é?