07/10/2007

Militar de polícia, patrimônio da nação brasileira.

Carta a El Rei de Portugal
"Senhor, umas casas existem no vosso reino, onde homens vivem em comum, comendo do mesmo alimento, dormindo em leitos iguais. De manhã, a um toque de corneta se levantam para obedecer. De noite, a outro toque de corneta se deitam, obedecendo. Da vontade fizeram renúncia como da Vida. Teu nome é Sacrifício. Por ofício desprezam a morte e o sofrimento físico. Seus pecados mesmos são generosos, facilmente esplêndidos...
Quando eles passam juntos fazendo barulho, os corações mais cansados sentem estremecer alguma coisa dentro de si. A gente conhece-os por militares...
Pelo preço de sua sujeição, eles compram a liberdade para todos ....

E quando ele se põe em marcha, à sua esquerda vai a coragem, e à sua direita a disciplina.
(Trecho da carta escrita por Moniz Barreto, em 1893, publicada no Jornal do Exército de Portugal, Nº 306).



Não poucas são as profissões melhor remuneradas, mas poucas... muito poucas, podem proporcionar a exata noção e a satisfação do dever cumprido, mesmo com o sacrifício da própria vida.

3 comentários:

Anônimo disse...

Caro Major!
Gostaria que o senhor fize-se um tópico sobre esse video, no qual o ex-Governador do Paraná, Roberto Requião, fala a tropa da PM de lá.
Um abraço!

http://www.youtube.com/watch?v=feBfgxhUr74

wanderby@oi.com.br disse...

Caro Anônimo
O vídeo em questão está postado em http://oalvodachibata.blogspot.com/2007/09/um-governador-fala-para-sua-polcia.html.
Ele me parece uma manifestação clara de respeito de um governador em relação à sua tropa.
Perceba, inclusive, a preocupação externada com a integração salarial entre sua PM e a PC.
Como deve saber, o mesmo governador editou um decreto substituindo delegados por sargentos em determinadas delegacias de polícia.

Anônimo disse...

Grato Comandante!