18/03/09

É pedir muito?

Afinal, no requerimento formulado em 06/03/09, eu só queria ter conhecimento dos juízos de valor emitidos por parte da Comissão de Promoção de Oficiais da PM do RJ (CPOPM) e de sua fundamentação fática (com individualização quanto aos oficiais responsáveis por sua emissão), de que derivou minha inédita exclusão, por incapacidade moral, do Quadro de Acesso à promoção - objeto do Bol PM Res n.º 18, de 05/03/09 - e de que derivará, caso não seja revista a decisão, minha submissão a Conselho de Justificação, seguida, muito provavelmente, de minha transferência compulsória para a reserva (sem apreciação do Tribunal de Justiça, fato inédito na PM do RJ).
Pois bem, eis a resposta:





Eu lamento, mas realmente gostaria de saber, por exemplo, qual nota recebi do atual Chefe do Estado Maior da PM do RJ e de sua motivação fática para tal
(eu sei que solicitei sua submissão a Conselho de Justificação, mas o fiz com fundamentação objetiva e já fui até indiciado em IPM por isso). Gostaria de saber também quais foram as notas e os motivos (concretos) que moveram os desígnios do Chefe do Gabinete do Comandante Geral, do Diretor Geral de Pessoal, do Comandante do 4º CPA (OPM onde ficou confinado o Cel Menezes), do Corregedor da PM, etc, alguns dos quais, meus ex companheiros de platéia no "clube de oficiais" quando da mobilização democrática de 2007/2008.
Perdoem a irresignação, mas eu já fiz todos os cursos da Corporação, sempre fui "zero de turma", servi no sistema correcional por mais de uma vez, fui encarregado de investigações espinhosas (Norte Shopping, Coréia, Feira de Acari, etc), fui Chefe de EM em mais de um momento, recebi o maior conceito possível de diversos Comandantes (nunca inferior a "MB"), sou um dos Majores com maior pontuação ao longo da carreira, não utilizo viatura oficial, nunca fiz segurança privada (nem mesmo para a LIESA), não tenho amante, ainda moro de aluguel, tenho um automóvel 2002, uma espada na parede e não exerço qualquer atividade privada remunerada (ser blogueiro não dá dinheiro, muito pelo contrário).
Eu só quero tentar entender com base em que fundamentação concreta a comissão responsável pelas promoções na PM do RJ quer me mandar pra casa por insuficiência moral!
Vou tentar requerer outra vez e alegar, quem sabe, alguma coisa escrita naquele texto de 1988, apelidado pelo saudoso Ulisses Guimarães de "Constituição Cidadã". Talvez fale sobre impessoalidade, publicidade, ampla defesa, contraditório, moralidade... Será que adianta?

36 comentários:

Anônimo disse...

Com tudo isso só me resta uma conclusão:não somos cidadãos! Se a afronta ao direito individual e a perseguição implacável acontece a um Major PM, imagine ao coitado do Soldado...
Aumenta cada vez mais minha insatisfação. Ass: Oficial Intermediário, que tem um carrinho mais novo (2003) só porque meu querido pai ajuda a pagar. E que não pode se identificar pq não quer ficar preso.

Anônimo disse...

Pois e senhores, Pasmem, ontem dia 17/03/09 por volta das 01: 30 isso mesmo 01:30 da madrugada a DPJM os gestapo da PMERJ, prenderam um CAbo e um soldado recruta recem formado pelo simples motivo de eles estarem sentados na VTR que fica baseada no morro Dona Marta na entrada do morro, sendo que são 4 policiais lá baseados dois estavam em pé e dois descansando ae eles os todos PODEROSOS E UM TENENTE SENHORES QOA ISSO MESMO ERA SOLDADO VIROU TENENTE QOA, CHEIO DE MARRA, esculachou os policiais na frente dos Pis que lá estavam, e os Pis, fulgos favelados ficaram rindo da cara dos pms que lá estavam baseados , pois o TENENTE vez questão de gritar bem alto além de revistar a VTR vocês estão presos a disposição, ae revistou a VTR sendo que o certo era ele conduzir a vtr até o 2 BPM e revistar a mesma pegou uma lanterna e revistou no meio da rua com todo mundo olhando como se os policiais fossem bandidos, muito bom senhor tenente, você deve ter dormido muito bem por ter prendido dois chefes de familia pelo simples motivo de estarem sentados na vtr, não e mesmo??? já que você não prende BANDIDOS por que têm medo, ae prende pms é mais fácil né meu amigo bater em cachorro morto, prenderam dois policiais do tão falado , POLICIAMENTO COMUNITÁRIO CERTO, e assim que vcs premiam os policiais que dão a vida pela sociedade né , esculachando no meio da rua na frente de paisanas?? cuidado isso e passivel de justiça senhor TENENTE,você esculachou os policiais sem motivo nenhum, mais tudo bem o senhor e OFICIAL e nois somos apenas uma escoria não e mesmo , meus parabens, por esta prisão seu COVARDE, sua hora seu de queimar no INFERNO chegará ae sim vc terá o que merece seu COVARDE.... POLICIAMENTO COMUNITÁRIO REVOLTADO COM A ATITUDE DE UM CERTO OFICIAL QOA DA DPJM, ....SOMOS 120 policiais UNIDOS SEU COVARDE, vez com 1 dagente vez com todos nós... depois não reclamem se os bandidos voltarem pro morro.. e melhor conviver com bandidos declarados do que com vocês da DPJM inimigos FARDADOS.......... !!!!!!

Anônimo disse...

Trecho extraído da revista isto é, de 23 de outubro de 1996

"A família Pitta
Candidato de Maluf em São Paulo tem tio marajá na prefeitura e primo envolvido com bicheiros no Rio
O amigo dos bicheiros

Com 2,5 milhões de votos, Celso Pitta não é mais um desconhecido dos paulistanos. Os eleitores não sabiam, porém, que o tenente-coronel da Polícia Militar do Rio, Gentil Pitta Lopes, primo de segundo grau do candidato, é acusado de corrupção e deverá ser julgado no primeiro semestre de 1997. Ele faz parte da lista de policiais que recebem propinas dos bicheiros para fazer vista grossa à contravenção. "O coronel recebeu dinheiro do bicheiro Castor de Andrade", diz o ex-procurador-geral da Justiça do Rio Antônio Carlos Biscaia. Em março de 1994, a polícia apreendeu os livros contábeis de Castor. Neles estão catalogados os pagamentos que o bicheiro fazia regularmente às autoridades. O primo de Pitta, segundo os livros, recebeu 15 milhões de cruzeiros, entre dezembro de 1992 e maio de 1993. Na época, o tenente-coronel Pitta trabalhava no 14º Batalhão da PM, em Bangu, zona oeste do Rio, território controlado por Castor. "Sei que o coronel é da nossa família, mas não temos nada a temer. Celso não tem nada a ver com ele", afirma a advogada carioca Mirian Pitta, prima de Celso e de Gentil. "Estamos instruídos a não falar nada", disse ao repórter de ISTOÉ no Rio, Hélio Contreiras, uma outra prima, Maria do Carmo Pitta. "Nós não conhecemos essa gente e nada temos com os bicheiros", afirmou a mãe de Pitta, dona Zuleika, na segunda-feira 7.
Na sexta-feira 18, procurado por ISTOÉ, Celso Pitta não quis se manifestar a respeito de seus parentes.

Pra quem não sabe.....trata-se do irmão do mudinho

Anônimo disse...

Fazer que tipo de bico?

POIS PELO QUE SEI, ALGUNS SÃO PERMITIDOS!!!

Tem Policial Militar (diga-se Coronel) que é juiz de futebol ou bandeirinha. Por acaso isso não é bico, segundo emprego ou atividade privada?

Te outros oficiais que são professores e até coordenam cursos em universidades conhecidas. Por acaso isso também não é bico, segundo emprego ou atividade privada?

Tem outros que se declaram abertamente possuidores de segurança privada, mesmo assim ocupam postos chaves na PM. Por acaso isso também não é bico, segundo emprego ou atividade privada?


AGORA, A PRAÇA QUE DEFENDE UMA LOJINHA DO PORTUGA, DO RESTAURANTE, BAR, BOITE, FARMÁCIA, PADARIA, ESSE SIM TEM QUE SER PUNIDO?????????

ORA SENHORES, A LEI NÃO É IGUAL PARA TODOS??????

POR QUÊ ENTÃO SE APLICA A LEI PARA ALGUNS E A OUTROS PELOS MESMOS FATOS NÃO SÃO PUNIDOS??????

SE OS SEGURANÇAS DA LIESA FOSSEM SOMENTE DE COMPOSTO POR PRAÇAS, JÁ ESTARIAM PRESOS E SENDO SUBMETIDOS A PROCEDDOS DISCIPLINARES....MAS.....COMO TEM OFICIAIS SUPERIORES....AÍ A HISTÓRIA MUDA!


SENHORES, O EXEMPLO VEM DE CIMA, E JÁ HA MUITO TEMPO NÃO TEMOS EXEMPLO ALGUM NA PM, POR ISSO ESTAMOS DESSE JEITO, SEM CREDIBILIDADE, SEM AMOR PRÓPRIO E COM A AUTOTO-ESTIMA, E O MORAL DA TROPA, EM NÍVEIS BAIXÍSSIMOS!

Anônimo disse...

Não major, não vai adiantar, o que vai adiantar e usar o socorro qu acoselha essa mesma constituiçao citada, ingressar com uma açaõ na justiça para ue o cmt geral diga, qual foi a sua atitude da ultima avaliação para cá, que fez com que houvesse a atual pontuação, esse ato é impessoale rasoavel, claro que não, pronto já existe aí elementos suficientes para que a justiça se pronucie. Boa sorte.

Anônimo disse...

Os senhores não são é BRASILEIROS !.

Se o fossem, valeria aos senhores a LEI FEDERAL deste ... "país" [ainda é um País, esta MERDA ?]

Pois recorra, bravo Major Wanderby E TODOS, ao Ministério Público Militar FE-DE-RAL.

Quem sabe lá é onde exista DECÊNCIA MILITAR que no Rio, não há mais.

No Rio não há mais sequer a idéia MILITAR, se a coisa é descolada do nacional, do Bem Comum dos brasileiros.

E nada menos. Se ainda existisse um Senado ou uma República ... Mas MILITARES sabemos que os há. É dever constitucional, está escrito.

Anônimo disse...

exclusão, por incapacidade moral, do Quadro de Acesso à promoção - objeto do Bol PM Res n.º 18, de 05/03/09???????????????
o que significa?
podemos dizer que o senhor está ao nível dos seus superiores que recebem? dos que vegonhosamente se permitem aumento de 223%? dos que como judas se vendem dando costas a um acordo, por melhores salários? dos que dão as costas para seus superiores Cel ubiratan num momento em que poderiamos moralizar nossa Corporação?
agradeça ao Senhor Deus por não fazer parte deste "circulo", pois nada há encoberto que não venha a ser revelado!
há uma justiça que ao seu tempo chegará e mostrará quem é quem!
não pense que a justiça do rio é diferente da nossa Corporação, pois comem do mesmo manjar e o senhor ficará como muitos de nós praças!
quando neste vinte e cinco anos de Corporação tenha eu visto tamanha afronta a moral!
que Deus o ajude!

Cathalá disse...

Conforme eu havia previsto, te enrolaram.

São tão burros (ou se fazem de) a ponto de dizerem que o conceito é sigiloso. É sim sigiloso, para toda a Corporação, exceto para você.

Ademais, se você não sabe em que aspectos foi mal avaliado, como poderia procurar melhorar no futuro?

Só mesmo na justiça, meu caro.

Sorte e um abraço,

Anônimo disse...

Cabe Habeas Data.

Inconfomado disse...

Major, procure os meios legais para dar fim a essas arbitrariedades sem fim. Se fazem isso descaradamente com osr imagine o que nos assola...

Anônimo disse...

O deputado estadual Flávio Bolsonaro vai solicitar ao Ministério Público que investigue o caso e obrigue o coronel Davi a devolver aos cofres públicos os mais de R$ 56 mil recebidos de forma indevida. O parlamentar afirma ainda que David deve ser punido criminalmente e afastado do cargo para servir de exemplo para a tropa.

http://odia.terra.com.br/blog/blogdaseguranca/index.asp#1237414557001_BELTRAME_SUSPENDE_BENEFICIO_DO_CHEFE_DO_ESTADO-MAIOR_DA_POLICIA_MILITAR

Anônimo disse...

MAMAR NA VACA ELE NÃO QUER!

Anônimo disse...

Discurso - FLÁVIO BOLSONARO
Informações Básicas
Sessão: Ordinária
Expediente: Inicial
Autor do Documento: Sandra Varela/ALERJ Data de Criação: 18/03/2009
__________________________________________________________________
Data da Sessão:
18/03/2009
Hora:
15:55
__________________________________________________________________

Texto do Discurso
O SR. FLÁVIO BOLSONARO – Nobre Presidente, Deputado Sabino, na semana passada vim a esta tribuna fazer uma denúncia envolvendo a cúpula da Polícia Militar do nosso Estado, de um Coronel que recebia em seu contracheque o auxílio-moradia e morava, mora ainda, em um próprio do Estado.
A imprensa toda deu repercussão. Hoje, o jornal O Globo traz uma fotocópia do contracheque do Coronel David, mostrando que de fato recebia esse auxílio-moradia. E o Secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, que esteve nesta Casa, na terça-feira, anunciou que ordenara o corte desse auxílio-moradia e determinando que, se houvesse mais casos similares, que se procedesse da mesma forma.
Imagino, Sr. Presidente, se fosse a mesma situação, mas em outro poder. Imaginemos que um deputado federal morasse num apartamento fornecido pela Câmara dos Deputados e ainda assim recebesse auxílio-moradia, o grande escarcéu, a grande repercussão que isso teria por todos os veículos de comunicação deste país! No entanto, ainda de forma tímida, embora não tenham deixado passar em branco, vemos a imprensa dando um espaço razoável para esse caso, que eu julgo importantíssimo, não pelo fato de termos um coronel que, no meu ponto de vista, pratica um ilícito. Isso é grave, mas muito mais grave do que isso é a mensagem que toda essa situação passa para a tropa. Se fosse um soldado passando por uma situação similar: morasse numa casa fornecida pela PM e recebesse auxílio-moradia? Certamente já estaria preso por 72 horas para depois tentar se justificar e mostrar as razões pelas quais se encontrava naquela situação e, certamente, teria sido instaurado algum procedimento administrativo para punir ainda mais esse soldado.
No entanto, nós vemos aí o que aconteceu: “olha, cortamos o auxílio-moradia dele, está resolvido o assunto”. Que moral passa a cúpula da PM para o restante da sua tropa? Será que um comandante de qualquer batalhão vai querer dar um dia ou dois de detenção para um subordinado seu, porque ele chegou três minutos atrasado ao batalhão? Será que esse militar punido não vai ter o direito de questionar: “olha, cheguei atrasado não por causa do trânsito, mas porque estou com um problema familiar em casa. e vou ficar preso enquanto o Comandante-Geral bota dinheiro no bolso indevidamente e nada acontece com ele?”
Essa é a mensagem, esse é o raciocínio de quem está vendo isso tudo acontecer e praticamente providência nenhuma é tomada. Vamos esperar que a Corregedoria-Geral Unificada dê o seu veredicto sobre esse tema. Mas também estou encaminhando - dei entrada hoje no Ministério Público - ao Procurador-Geral de Justiça uma representação para que o Ministério Público também faça essa apuração, porque já está comprovado que é verdade.
E quanto aos vários anos que esse militar passou recebendo indevidamente o auxílio-moradia, o valor recebido não será restituído? E mais: será que o nosso Comandante-Geral, Coronel Pitta, não sabia dessa situação? Se ele sabia, foi conivente, e também tem que responder penalmente por isso.
A cúpula da PM hoje está desmoralizada. E eu acho que a imprensa tem um papel importante nisso, que a sociedade também está tendo um papel importantíssimo na mudança nesse quadro da cúpula da PM, o que eu espero aconteça em breve.
Denunciei também aqui, ontem, que um capitão da PM que fora dar um abraço num amigo seu de turma, da Corporação, o Coronel Menezes que cumpriu os quatro dias de detenção. Quando ele saiu, algumas pessoas, inclusive eu, esse Capitão da PM também, estávamos lá para lhe prestar solidariedade. Sabem o que aconteceu com ele? Simplesmente, ele que estava no GEPE, grupamento voltado para o policiamento em estádios, foi transferido para o MOVE. Repito, nada contra uma transferência, todo policial militar sabe que quando entra para a corporação pode ir para qualquer lugar do Estado. Mas agora ficou nítido que foi uma retaliação, ainda que pequena, mas a tropa encara também dessa forma: “olha, não pode nem dar um abraço no amigo” e, sem pronunciar uma palavra, ele sofre uma perseguição dessa!
Acho que cai no ridículo, falta moral para quem está dando essa punição. E a sociedade tem um papel importante por isso, porque essa “punição” - entre aspas, porque, lógico, não é uma punição, é uma transferência. Mas, a sociedade conseguiu um passo importante. Todos aqueles que se engajaram nessa questão da mordaça, da nocividade do regulamento disciplinar da Polícia Militar tiveram vitória porque essa transferência foi cancelada. Foi tornada sem efeito, já publicado em Boletim da Corporação. Então, toda essa pressão já começa a surtir efeito.
Eu repito: não é nenhum problema pessoal com um oficial ou qualquer militar. Primeiro, estou zelando pelos cofres públicos e pela moralidade. E, segundo, estou trabalhando para que a tropa não fique ainda mais desmotivada e ainda mais desvalorizada por causa desse péssimo exemplo que a cúpula da PM está dando.
Concluo, Sr. Presidente, esperando que o nosso Governador Sérgio Cabral tenha a sensibilidade de ver que está faltando clima para que o Comandante-Geral, o seu Estado Maior permaneçam no comando da Corporação, porque merece, é um oficial digno, responsável, competente e à altura da importância que é a instituição Polícia Militar. Muito obrigado.

Anônimo disse...

E a esposa do Sergio Cabral advogando contra o Estado com o aval, proteção e informações privilegiadas através de seu parentesco com o marido, isto ninguém apura.

Anônimo disse...

Caros amigos do Blog, quero denunciar que no 21 BPM está ocorrendo um absurdo, existe um sgt maron que está pegando dinheiro de tudo que é na área, bicho, tráfico, transportee alternativo, gatoneeet, dvd ,toda sexta se reune com o chefe da p2, para dividir o dindin. este sgt é homem de confiança do cmt, este é honesto, porém não quer saber do que acontece fora do seu gabinete. Honeesto mas omisso. não aguento mais ter que dar dinheiro para tudo. O patamo está arregado no morro da vila rute e não estão proibindo baile funk, acontecendo toda semana pelo pagamento para o batalhão. por favor me ajudem, não quero fazer parte deesta quadrilha e não posso me identificar, pois seria perseguido pelos oficiais que nada fazem.

REFLEXÕES DE UM SERVIDOR disse...

Major,

Fique tranquilo, pois Deus só dá à nós o que podemos carregar! Se não for pelo meio administrativo, será pelo judiciário...

A hora deles irá chegar...

REFLEXÕES DE UM SERVIDOR

SOLDO DEFASADO disse...

Nobre Major, trabalhei com seu Pai, Sr,. Ten CelPM Wander, trabalhei com seu Irmão, Sr. Cap PM Wanderson, quando de minha estada no 21º BPM. Do seu Pai lembro pouco, mas nada de negativo! Do seu Irmão, lembro muito, até pela diferença de datas. Se o Sr. for Honesto, Competente, Amigo, Leal, Solícito e outras virtudes que só grandes querreiros possuem, tal qual o Sr. Cap PM Wanderson, então o Senhor está no caminho correto! Não esmoreça, cuidado com as covardias, siga em frente e o Senhor vai colher os Louros! Na minha insignificância, converso com o Senhor Jesus para nos dar força! Por que o mal quando age, repercuti mais! Mas o Senhor não está sozinho! Deus lhe abençõe e procure sabedoria! "Se tiveres paciência ao agir, cem anos de pesar irás evitar" (Provérbio Chinês), eu acho!

Mônica Reis disse...

MAJOR WANDERBY, é um orgulho para qualquer cidadão de bem ter um guerreiro como o sr na PM. Passo sempre aqui para ler o blog, nem sempre comento, pq em geral minhas palavras seriam de apoio e concordância com o que está escrito. Força. Siga.

Mônica Reis disse...

Major, já apresentei em diversos momentos minhas manifestações de apoio. O que o sr. e sua família precisar que estiver nas minhas possibilidades, sinto-me na obrigação de colaborar. Acho que não podemos simplesmente deixar um bravo que eleva sua voz sem o nosso apoio. Tudo o que o sr. fala não é em proveito particular, antes, é em defesa de toda uma coletividade. Estou às ordens.

Anônimo disse...

Caro Amigo,

nao queria desanima-lo, mas como aqui no Brasil é assim, os q tem poder fecham o "circuito"de uma forma q nada podemos fazer, pela justiça o Sr. terá q gastar um dinheiro para conseguir uma antecipação, para tentar ter algum resultado agora, pq se nao, quando a justiça for julgar o Sr. já estará na reserva e os seus Cmts tb.
Isso tb acontece nas forças armadas...
Mas nao podemos de forma alguma abrirmos mao dos nossos direito.
Boa sorte e principalmente PARABENS, pela sua coragem, moral e dignidade de expor as pessimas consdiçoes de trabalho da PM, que na atual conjuntura beneficia os corruptos ou os q nada querem.
Vc deveria ser o Cmt geral da corporaçao...

Anônimo disse...

Faltou-lhe, Major,um quesito: morar de graça em um imóvel da PM e receber no contracheque auxílio moradia. Foi isso que o desclassificou.

Anônimo disse...

e amigo, a imprensa não deixa a gente "trabalhar", qualquer bobeirinha tá escrachando a gente, mas o vagabundo tá trankilo, parece que inverteram os valores, e é por isso que o rio de janeiro está assim dominada pelos bandidos, eu já parei há muito tempo de trabalhar, pra que??? vale a pena??!?!?!? não tenho mais motivação isso eu tinha no passado agora eu vejo que estão sucateando a pmerj. infelizmente tenho o sangue de polícia nas veias mas quando penso que não sou amparado, não faço nada,... desculpe a minha sinceridade, mas vejo uma pmerj triste sofrida e quem nos comandam não dão a motivação adequada, e tem alguns que são nossos inimigos internos doido pra nos ferrar-nos, então pra que defender a sociedade se por outro lado tem uma madrasta uma imprensa e um comandante que querem mas que o barco afundem. farinha é pouca meu pirão primeiro,,, é demais, anônimo triste..

Anônimo disse...

19 de março de 2009









AINDA SOBRE A GRAVE QUESTÃO DO ESCRITÓRIO DA ESPOSA DO GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO!


1. A Sra. Adriana Ancelmo Cabral entrou em contato com o blog do Lauro Jardim (Veja) e tentou esclarecer o cruzamento de interesses: "O escritório de advocacia Coelho, Ancelmo e Dourado advogados, não por vedação legal, mas por princípios, não advoga em nenhuma hipótese em processos que contrariem interesses do Estado. O critério adotado pelo escritório para a contratação com os seus clientes é o de qualquer outra sociedade da mesma natureza, com restrição exclusivamente a litigância contra o Estado do Rio de Janeiro, empresas públicas estaduais e afins. Nos dois casos citados no ex-blog do ex-prefeito o Estado e a Feema aparecem na qualidade de co-réus, ou seja, se encontram defendendo a mesma posição jurídica que os nossos representados".


2. O interesse cruzado nem sempre é negativo. Muitas vezes é positivo, o que não elimina a escolha do escritório pela intimidade com o poder. Da mesma forma a escolha do escritório da esposa do governador por fornecedores do Estado em litígios com terceiros. A escolha, pensam tantos, pode agradar o governo e com isso conseguir mais e melhores negócios.


3. Mas infelizmente a esposa do governador se esqueceu de alguns casos. Este Ex-Blog cita um deles. O processo No. 2007. 001.040341-6 de 2007, distribuído em 11 de abril de 2007, desmente a argumentação da Sra. Adriana Ancelmo Cabral de que os sócios dela nunca advogaram contra o Estado do Rio. Nele estão SERGIO LUIZ MADALENA DOURADO, sócio da Coelho, Ancelmo & Dourado advogados e Guilherme Romano, também advogado do escritório. O juiz julgou “EXTINTO O PROCESSO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO", mas foi um embargo contra o Estado do Rio.



Classe: Embargos à Execução Fiscal

Cartório da 11ª Vara da Fazenda Pública TJ/RJ.

Embargante INDUSTRIA E COMERCIO DE VIDROS VITROPLAST LTDA.

Embargado ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Advogado(s): RJ071758 - SERGIO LUIZ MADALENA DOURADO
RJ127204 - GUILHERME RIBEIRO ROMANO NETO.


4. Este Ex-Blog trará outros casos ao conhecimento público, forma a que uma atividade privada de cônjuge de governador não se beneficie, por indução direta ou indireta, dessa condição.



* * *

MAIS UM PROCESSO DE SÓCIO DE COELHO, A.A. CABRAL, DOURADO CONTRA O ESTADO!


1. E para este Ex-Blog não ficar em só um exemplo, segue outro em que Dourado litiga contra o Estado do Rio de Janeiro. Este é de 2009 e está no STF.



Data de Autuação 05/02/2009. AI/742414 - AGRAVO DE INSTRUMENTO.

Origem: RJ - RIO DE JANEIRO.

Relator: MIN. MARCO AURÉLIO.

AGTE.(S) PRO ECHO CARDIODATA SERVIÇOS MÉDICOS LTDA.

ADV.(A/S) SÉRGIO LUIZ MADDALENA DOURADO E OUTRO(A/S).

AGDO.(A/S) ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

ADV.(A/S) PGE-RJ - WALDEMAR DECCACHE.


2. Portanto, a Sra. advogada Adriana Ancelmo Cabral não falou toda a verdade ao blog-Veja-Radar- Lauro Jardim.


3. Este Ex-Blog, hoje, fica por aqui. Muitos outros casos virão de cruzamento direto e indireto de interesses.



* * *



AINDA O GRAVE CASO DO ESCRITÓRIO DA ESPOSA DO GOVERNADOR -3!



Folha de SP



Mulher de Cabral advoga pelo Estado do Rio



O escritório de advocacia Coelho, Ancelmo e Dourado, do qual é sócia Adriana Ancelmo, mulher do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), atua em duas ações que envolvem o Estado.


Em uma delas, Adriana aparece como representante da Feema, em ação civil pública do Ministério Público do Estado. o outro caso, seu sócio Sergio Coelho e Silva Pereira representa a Vigo Central de Serviços Ltda., do empresário Arthur César de Menezes Soares Filho, cujas firmas recebem quase um quarto do valor pago em serviços terceirizados do Estado. Nesse processo o Estado é réu, ao lado da companhia. Especialistas em direito administrativo ouvidos pela Folha afirmam que a contratação do escritório vai contra o espírito da Constituição e o Supremo Tribunal Federal, que vedam o nepotismo.

Anônimo disse...

Estimado Anônimo das 23:01

CONTE AQUI o N-O-M-E desse marrento.

Quem sabe se, ao ficar ''famoso'', o sujeito aprende a diferença entre o que é sentir e passar uma baita VERGONHA; e cometer uma indignidade que envergonhe TODAS as Fardas brasileiras.

Mexeu com a FARDA AZUL, mexeu COM TODAS AS FARDAS NACIONAIS.

O nome desse cara, por gentileza.

Atenção 1ºDPJM, ATENÇÃO. O crime é VOSSO.

Anônimo disse...

"A obediência de um soldado encontra seus limites onde seu conhecimento, sua consciência e sua responsabilidade proíbe-o de obedecer ordens" - Coronel-General Ludwig Beck - Chefe do Staff de Generais do Exército Alemão (1932-1938).

Anônimo disse...

A luta contra autoridades ditatoriais é, com freqüência, encarada de forma equivocada. A insurreição contra os regimes totalitários não é uma tarefa simples, como mostram os exemplos recentes da América do Sul durante as décadas de 60-80. Com freqüência, métodos brutais e aterrorizantes, por um lado, sutis e desorientadores por outro são utilizados. Wanderby use a história a seu favor, aprenda com ela, não repita os mesmos erros que o passado nos mostrou. É tudo que esses traidores querem...

Anônimo disse...

rSou um cidadão carioca, contribuinte em dia com minhas obrigações, economista, ex-administrador do BB no exterior e ex-Diretor da Instituição. AH!também ainda pretendo votar nas próximas eleições, para Governador e Presidente da República.Não me conformo com a (in) segurança pública no meu estado,da qual já fui vítima pessoal. É nesta condição de cidadão, cumpridor de seus deveres e exigentes de seus direitos,inclusive o de opinião, e não necessariamente na condição de integrante de uma família com contribuição à PMERJ, por três gerações, que registro meu inconformismo com o que está acontecendo com pessoas honestas (infelizmente, ser honesto passou a ser virtude), e com honestidade de propósitos,como é o caso do Major Wanderby, cujos crimes são o de lutar pela ética, pela eficiência, pela transparência, pela adequada remuneração dos policiais-militares,em pról da melhoria dos serviços de segurança pública, sabido que salário insuficiente pode ser condutor de muitos males, inclusive de desvios de conduta. Felizmente, a grande maioria de polícias se mantém imune a estes contágios, arriscando suas vidas,e muitas das vezes, suas carreiras, para seguir cumprindo seu dever para com a sociedade. Lembrando o recente caso de prisão do Cel. Menezes, cujo motivação, conforme divulgado, foi a de se incluir entre os que defendem melhor remunerção para o policial, até como enfrentamento da questão "bico", aqui quero manifestar meu profundo desgosto pela ignomínia que se vem perpetrando contra o jóvem idealista Major Wanderby. Major Wanderby, é meu sonrinho, a quem, se tiver que atribuir defeitos,já que ninguém deles está isento,além de ser um idealista ferrenho e ser inflexivelmente inflexível, na defesa de seus princípios morais. Entrando muito jóvem na Escola de Formação de Oficiais da PM, por seu insitente desejo de seguir os passos do pai, ele é filho do Cel-PM Wander, meu irmão, infelizmente falecido, não faz muito tempo, e neto do 1º Ten=PM Geraldo Medeiros, também falecido, aí estando as três gerações acima aludidas. Embora não tenha sido militar, de profissão, conheço a disciplina militar, fui criado sob seu regime (aliás, parte de minha infância passei "morando" no QG da PM).Sei, portanto, que os policiais militares devem a ela estar submetidos. Mas sei também que vivemos sob uma constituição democrática, posterior, inclusive, à data em que alguns códigos foram erigidos. Lamento que que alguns destes procedimentos e normas, incompatíveis com o Estado de Direito em que, graças a Deus, vivemos no Brasil, estejam sendo usados para alcance de objetivo que não consigo determinar qual seja. Cabe às pessoas, com mando temporário das instituições, agindo de boa fé, contribuírem para superar tais inconsistências, agindo no mundo real que, há muito, se descolou de conceitos plantados no regime autoritário. É necessário foco no alcance da melhoria dos serviços, em benefício de toda a sociedade. Em que contribuem, para isto, punições para quem fala e age neste sentido? Ao ladrão, ao corrupto, cabe sim, toda ação para extirpar a fruta podre, mas porque lutar e agir para expulsar, justamente, os que podem contribuir na missão de mudanças, em defesa da ética, da moralizaçã, da eficiência? Mas, ainda tenho a esperança, apesar de exemplos com os que ocorrem no Congresso (empréstimo de telefone celular do sendador para sua filha, pagando o contribuinte pelos seus telefonemas), que políticos com o histórico do Governador Sérgio Cabral, dê a sua contribuição, primeiro no âmbito do nosso Estado, e, depois, de modo mais amplo, para mudanças, neste sentido. Gostaria, assim, que não ficasse alheio a uma situação que, ocorrendo no âmbito de seu Governo, mais se assemelha a "dar um tiro no pé", pois que, o que se vê perpetrado contra alguns dos bons valores que integram o quadro da PMERJ, e não tenho dúvidas em destacar, entre eles, o Major Wanderby, por que conheço toda sua história de vida, e que tipo de formação recebeu de seu pai e de sua mãe, não condiz com a formação democratica do Governador. Faço ressalva que não dirijo críticas específicas a nuhum componente da atual Administração, pois acredito que este cenário tem razões mais profundas e abrangentes, em conceitos e estruturas que já vêm de longo tempo corroídas, há muito reclamando mudanças, embora saiba que estas mudanças só ocorrerão se as pessoas, desde já, derem um primeiro passo. Faço, pois, um apelo no sentido de que, no mínimo, como mais uma contribuição no inegável esforço em avanços para uma boa performance da politica de segurança pública neste primeiro deste primeiro Governo Cabral,se dê ampla transparência à efetiva motivação que leva à punição de oficiais (e não só oficiais) cujo crime é, como ocorreu com Tiradentes, aliás patrono da PMERJ, de não se calarem, mas falarem para serem ouvidos por outros segmentos da sociedade, o que, provavelmente, já tentaram, fazer, sem sucesso, dentro da Corporação, usando os canais normais de comunicação da própria PMERJ.
Senhores, se há fatos que, realmente, classifiquem o Major Wanderby como pessoa/profissional/oficial com "insuficiência moral" para concorrer a promoções, é imperioso que se diga (e não só a ele) quais são e em que circunstância eles ocorreram.Esta acusação é muito grave e reclama reparação, justificação ou confirmação, ainda que seja por via judicial.Porque os que o promoveram, até então, não detectaram estes traços que só agora se lhes atribuem? Ora, sabe-se que traços desta natureza não aparecem do dia para a noite. Se estão certos os que agora o julgam, estavam errados os que o julgaram antes? Quais, repito, foram os itens em que o Major Wanderby obteve avaliação baixa? Digam, pelo menos, a ele, para que se defenda e, eventualmente, corrija os pontos fracos indicados, se pertinentes. Estou me sentido, na pessoa deste meu familiar, também ultrajado (mesmo sabendo que o DNA do comportamente moral não se confunde com os laços de família) mas porque, mais ainda, considero insultada a memória de meu irmão que, morto, não tem condições de apoiar a quem, independentemente da relação familiar, representa um segmento de pessoas que optaram por lutar por mudanças que nós civis desejamos.Até agora tenho me limitado a ter notícias do que vem ocorrendo, sem qualquer ação.Porém, doravante,pretendo dara mais atenção ao desenvolvimento deste assunto, na medida do meu possível,por uma questão de justiça, em memória de meu irmão e por minhas consciência e convicção de cidadão, que não abre mão do exercício da cidadania.Também, pelo meu inconformismo em ver, no meu Estado, ações incompatíveis com o que se espera de um Governo e de instituições modernas e democráticas, na construção de uma Polícia Militar de quem todos nos orgulhemos. Não consigo, e não pelos laços familiares que com ele mantenho, mas por conhece-lo, a acusação ao Major Wanderby de " inconsistência moral", ofensa contra a qual me insurjo e me disponho, se necessário for, e se assim for decisão dele, ajudá-lo a a se defender com recursos à todas as instâncias da justiça.

Anônimo disse...

Força Maj, o sr não está só nesta empreitada!

Anônimo disse...

estampa aí no seu blog eaa matéria do jornal O DIA:

"Os valores são mais uma demonstração do desafio que o Estado tem no Alemão: um soldado do tráfico chega a receber R$ 1.200 por mês (R$ 300 por semana), mais do que os R$ 1.090 previstos no último edital, de 9 de março, para o concurso da PM."

É isso aí meus amigos, um soldado do tráfico ganha mais que um soldado PM.

E viva aos 200 anos!

Anônimo disse...

ADIN na cabeça !. Nada de perder tempo, a esfera FEDERAL é que tem o dever de fiscalizar se isto aqui virou mesmo a bagunça que, a nós, parece inequívoca.

ADIN !. Pra cima desses na Comissão das Promoções.

E nada menos.

Anônimo disse...

Isso tudo tem o dedo do Sérgio cabral.

Por falar em Sérgio Cabral, o democrático:







Dacio Malta e Eucimar de Oliveira deixam O Dia

Marcelo Tavela



Dacio Malta, titular da coluna “Informe do Dia”, e Eucimar de Oliveira, diretor editorial de mídia impressa do Grupo O Dia, foram oficialmente demitidos na sexta-feira (25/05). No entanto, os dois jornalistas sabiam desde o dia anterior que seriam desligados da empresa, conforme foi comunicado, por e-mail, pela presidente do grupo, Gigi Carvalho. E acham que o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, pode ser o motivo da demissão.

“Ainda não fui demitido. Quem tinha que me demitir era o Eucimar, que não fez isso. E como meu acesso aos e-mails foi bloqueado, não vi o comunicado da direção do grupo”, brinca Dacio.

Ele se refere ao breve texto de Gigi destribuído a toda a redação na sexta-feira (25/05), comunicando o desligamento dos dois jornalistas e que o editor-chefe do Dia, Alexandre Freeland, assumirá o cargo de Eucimar. Também informa, sabendo que “boatos surgem”, que o jornal não está sendo vendido.

Na quinta-feira (24/05), Eucimar de Oliveira recebeu um e-mail da presidente pedindo a demissão de Dacio. O então diretor editorial foi contra a decisão, e não a acatou. Acabou sendo demitido também. “Não se pode interferir no conteúdo de colunas como a do Dacio, e eu nunca fiz isso. Não ia fazer isso agora”, conta Eucimar, que estava há dois anos na função, e foi o idealizador do Meia Hora e da recém-lançada TV O Dia Online, que estreou com uma entrevista com Sérgio Cabral.

“Já demiti gente pra burro. Tem maneiras e maneiras, e cada um é cada um, mas acho que faltou civilidade em uma demissão por e-mail”, comenta Dacio. Antes de voltar a ser colunista do Dia, Dacio foi editor-chefe do jornal, e já dirigiu o Jornal do Brasil, a sucursal de Brasília do Globo e foi editor-assistente de Veja.

Cabral
A suspeita de que Sérgio Cabral seja a razão para a demissão de Dacio se baseia nas várias críticas feitas ao governador pelo colunista, sobretudo de suas viagens. Em sua última coluna, publicada na quinta-feira (24/05), Dacio escreveu uma nota anunciando a festa de aniversário do pai do governador, o jornalista e homônimo Sérgio Cabral, intitulada “Sérgio Cabral, o Bom”.

“Ironicamente, a última coluna que escrevi e que seria publicada no domingo falava do aniversário do Sérgio Cabral, pai. Pressões sempre existiram por parte de governadores, mas eu não conhecia história de sujeito demitido por causa de pressão política”, diz Dacio.

Eucimar de Oliveira é mais direto: “A Gigi fazia veementemente pedidos para não abordar o governador. Tenho tudo documentado em e-mails”.

Em nota, a assessoria de imprensa de Cabral rechaça qualquer intervenção em questões internas de empresas jornalísticas. “O governador Sérgio Cabral, jornalista por formação e defensor ferrenho da liberdade de expressão, abomina qualquer prática nesse sentido”, afirma o texto.

Gigi
A presidente do Grupo O Dia, Gigi Carvalho, também se manifestou por nota. Garantindo que não haverá mais demissões e reafirmando a intenção de não vender o veículo, ela atribuiu a saída de Dacio Malta a questões editoriais. Sobre Eucimar, diz que o jornalista “é uma pessoa brilhante e com grande visão editorial e de negócios, porém muito centralizadora, o que vinha desgastando sua relação de trabalho com os demais funcionários”. Completa informando que Alexandre Freeland assumirá seu cargo.

“Ela está certa: Freeland é uma pessoa pouco centralizadora, pouco brilhante e que não vai desgastar as relações de trabalho”, diz Eucimar. “Qualquer outra dúvida pode ser perguntada ao Governo do Estado”, completa.

Desde a demissão de Dacio, a coluna “Informe do Dia” está a cargo de Tiana Ellwanger e Daniella Cadavez, que já a escreviam com o antigo titular.

Anônimo disse...

um humilde e singelo apoio

http://cbmerjalerta.blogspot.com/2009/03/o-zero-um-e-o-c-de-turma.html

Abs Maj

Anônimo disse...

Major, estamos vivendo a triste e terrível era da inversão de valores. Como dizia o poeta: "pega o honesto, pega..."


Cb BM

rodrigo pimentel disse...

Amigo, nao se preocupe fontes palacianas já indicam a queda da dupla Davi e Pitta, Cabral nao gostou nada da invasão, mais uma vez, anunciada ao Tabajaras.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
César disse...

Disse Rui Barbosa em 1914:
"A falta de justiça, Srs. Senadores, é o grande mal da nossa terra, o mal dos males, a origem de todas as nossas infelicidades, a fonte de todo nosso descrédito, é a miséria suprema desta pobre nação.

A sua grande vergonha diante do estrangeiro, é aquilo que nos afasta os homens, os auxílios, os capitais.

A injustiça, Senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vêm nascendo a semente da podridão, habitua os homens a não acreditar senão na estrela, na fortuna, no acaso, na loteria da sorte, promove a desonestidade, promove a venalidade, promove a relaxação, insufla a cortesania, a baixeza, sob todas as suas formas.

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.

Essa foi a obra da República nos últimos anos. No outro regime (na Monarquia), o homem que tinha certa nódoa em sua vida era um homem perdido para todo o sempre, as carreiras políticas lhe estavam fechadas. Havia uma sentinela vigilante, de cuja severidade todos se temiam e que, acesa no alto, guardava a redondeza, como um farol que não se apaga, em proveito da honra, da justiça e da moralidade."