02/03/09

PM & LIESA





A propósito (ou não), é bom lembrar que por "falta de espaço" a PM parou de apreender caça-níqueis.




Falando ainda em "falta de espaço"...




7 comentários:

Anônimo disse...

Excelente iniciativa do comando da corporação. Vamos reaproximar a PM da população!!!

Anônimo disse...

Quem mandou a banda da PM se apresentar não viu nada demais... mesmo porque não tem a capacidade de enxergar essas coisas... o cara foi repetente, vamos dar um desconto pra ele, tadinho...

Anônimo disse...

É engraçado, quando a PM é execrada na mídia OK. Quando ela é aplaudida de pé, pela sociedade, que é pagadora de impostos, pois ela foi aplaudida pelo setor 1, onde está a sociedade fluminense na sua maior representatividade de pessoas do povo, sem vínculos com ninguém.

Enfim, concordo que a legitimidade da PM não está só em matar e nas operações, vamos apludir uma iniciativa corajosa e vanguardista, pois só faz quem não tem rabo preso.

Vai lá e procura o nome do cmt geral na lista de algum contraventor. Qual o camandante geral que mais prendeu máquinas caça níqueis? Qual o comandante geral que mais expulsou policiais com desvios de conduta, enfim, demagogia do anômino das 7:13, não dá, né!!!

OBS.: A LIESA é contratada pela prefeitura para organizar o desfile e não pela PM.

Anônimo disse...

CAROS AMIGOS, SOU ESPOSA DE UM POLICIAL MILITAR, ESTOU PRECISANDO DE AJUDA.
MEU MARIDO ENCONTRA-SE PRESO NA PENITENCIARIA FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL. ELE FOI PRESO NO DIA 26-12-2008 ACUSADO DE FAZER PARTE DA MILICIA NO RIO DE JANEIRO.
NAO E VERDADE ESTA TUDO PROVADO DE QUE ELE É INOCENTE, NAO SEI MAIS O QUE FAÇO PARA AJUDÁ-LO.
ELE ESTA A 1 ANO E TRES MESES PRESO TOTALMENTE INOCENTE, GOSTARIA MUITO DE ACHAR UMA SOLUÇÃO PARA ESSE MEU PROBLEMA.
ESTOU AQUI NO MATO GROSSO DO SUL DANDO APOIO A ELE ,ESTOU FAZENDO O QUE POSSO, MAS SEM AJUDA DE PESSOAS COMPETENTES SEI QUE NAO VOU CONSEGUIR.
O NOME DO MEU ESPOSO É: JULIO CESAR OLIVEIRA DOS SANTOS
NUMERO DO RG:35944.
ELE ESTAVA LOTADO NO BATALHAO DE TERESOPOLIS, GRAÇAS A DEUS ELE AINDA ESTA NA ATIVA, BEM DIZER REFORMADO POIS ELE, FEZ TRINTA ANOS SERVINDO A SOCIEDADE E HOJE SE ENCONTRA COM ESSE PROBLEMA PRESO INOCENTE.
QUERIDOS AMIGOS CASO VCS SE INTERESSEM PELO MEU PROBLEMA, PODE ME DEIXAR UM RECADO. nirinha.terra@hotmail.com
PELO AO MENOS UM RECADO.
OBRIGADO.

Anônimo disse...

Pesquisa STF - Supremo Tribunal Federal.

RE/528182 RECURSO EXTRAORDINÁRIO

MIN. CARMÉN LÚCIA

Tribunal de Justiça
Quarta Câmara Cível
Apelação Cível n° 9.971/2006
Relator - Des. Jair Pontes de Almeida.


ESSES NÚMEROS SÃO DO PROCESSO DE UM CB PM QUE GANHOU O REAJUSTE SALARIAL, DISFARÇADO DE GRATIFICAÇÃO AOS CORNÉIS PPMM E BBMM, DADO PELO EX-GOVERNADOR ANTONY GAROTINHO.

AGORA TEMOS QUE CADA UM DE NÓS CONTRATARMOS ADVOGADOS E PEDIRMOS O MEMSO REAJUSTE SALARIAL

GEE - GRATIFICAÇÃO POR ENCARGOS ESPECIAIS, N° 256.

POR ELE SER CABO, A SUA GRATIFICAÇÃO FICOU EM TORNO DE R$885,00.

Anônimo disse...

Parabéns ao Cmt Geral, o Cel PM Pitta, por considerar a reportagem do jornal OGlobo uma hipocrisia pois a própria Globo faz contratos com a LIESA.

Anônimo disse...

MAIS UM FRACASSO DA SEGURANÇA PÚBLICA NO ESTADO DO RIO!

1. Mais um governo, mais um fracasso. A política de segurança pública estabelecida em 2007, com dois anos de aplicação, fracassou. Dela não resta mais nada, além da tentativa de ações pontuais publicitárias tentarem conseguir o apoio ou mesmo a torcida de parte da imprensa. A assunção da secretaria de segurança pública por um policial federal que veio da área de inteligência e a montagem de sua equipe com este foco partia de um diagnóstico equivocado: que a identificação de paiós e depósitos de drogas debilitariam o tráfico de drogas.

2. O narcovarejo no Rio é pulverizado e descentralizado e não há os grandes depósitos e paióis que eles imaginavam. O próprio armamento passou a ser de posse e guarda individuais e as drogas apreendidas em pequenas quantidades (apesar das declarações para a imprensa, depois desmentidas ou não comprovadas) são facilmente repostas. O mercado consumidor do Rio é estimado em 8 toneladas por ano.

3. Uma tentativa de mostrar força fracassou redondamente no Complexo do Alemão. Ocuparam, mataram e depois de 5 meses, recuaram. Perderam-se em ações repressivas violentas, mas de pouca consistência. Com isso abandonaram o patrulhamento ostensivo, e os assaltos a transeuntes, roubos e furtos cresceram exponencialmente, colocando em pânico a população.

4. Nunca a violência aberta nas ruas foi tão alta, diversificada e ampliada. Tiroteios em áreas públicas de grande concentração passaram a ser rotina. A sensação é de total descontrole. Os registros de assaltos, roubos e furtos superam 250 mil por ano, o que deve significar mais de 500 mil, se incluídos os não registrados.

5. Já em situação de desespero, decidiram realizar ações pontuais e dessincronizadas, ocupando uma pequena favela de 4.500 habitantes, cercando de coreografia uma ação simples, tendo um batalhão da PM em frente. Em seguida apontaram para mais duas, sendo que numa delas o comandante da operação disse que o tráfico de drogas continuava. Só faltou dizer que na Cidade de Deus as milícias já haviam ocupado parte, o que facilitava a operação. O Batam é outro pequeno núcleo.

6. Distantes e desconectadas, passam a ser ações sem sentido de universalização. A ocupação de favelas controladas por traficantes deve ser em complexos ou morros contínuos, para se ter o maior alcance populacional direto e no entorno e economia de escala. Usar recrutas nessas ocupações pontuais é uma barbaridade, pois distorce suas formações e suas funções policiais. Esses deveriam começar pelo patrulhamento nas ruas e não tensionados, como no caso da Cidade de Deus.

7. As informações de que a criminalidade diminuiu no entorno da Cidade de Deus, são no mínimo irresponsáveis, pois isso não se mede em dias, e como demonstrou a ocupação de fins de 1994, aumenta os crimes de rua se a ocupação na favela não vier acompanhada da ampliação do policiamento ostensivo no entorno. Vejam os números do primeiro semestre de 1995 e as razões da substituição do general-secretário de segurança.

8. Segurança Pública, num quadro como o das grandes áreas metropolitanas brasileiras, deve ser pensada em longo prazo para ser sustentável e não pensando nas próximas eleições, em 2010, depois do fracasso demonstrado, como ocorre hoje no Estado do Rio.

ex blog do ex prefeito César Maia